× Modal
< Voltar


Resumo da semana

Retrospectiva, fatos e acontecimentos da semana de 27/01 a 31/01/2020

Leia a síntese retrospectiva dos fatos mais relevantes no cenário político e econômico


Em 06.02.2020 às 10:17 Compartilhe:

Síntese retrospectiva dos fatos mais relevantes da semana ordenados em tópicos sobre eventos ocorridos nos Poderes e nos cenários político, socioeconômico e mundial.

Poder Executivo

Presidente do INSS é demitido
O Ministério da Economia, através do secretário Especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, anunciou a demissão do presidente do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), Renato Rodrigues Vieira. Vieira foi nomeado no início do governo Jair Bolsonaro e ficou pouco mais de um ano no cargo. Desde o final de 2019, o INSS enfrenta do ano passado, uma crise na análise de benefícios.

Bolsonaro demite secretário-executivo da Casa Civil
O presidente Jair Bolsonaro demitiu o secretário-executivo da Casa Civil, José Vicente Santini, por ter usado um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para viajar à Índia. A pasta informou, ainda, que Fernando Moura, secretário-executivo adjunto da pasta, assumirá o cargo em definitivo. Santini, que estava como ministro interino devido ao período de férias do titular da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, participou da programação da viagem oficial de Bolsonaro à Índia, onde apresentou a carteira de investimentos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) a investidores. Ao longo da semana, após uma tentativa de readmissão de Santini, contudo, o presidente da República manteve a intenção de mantê-lo longe de qualquer atribuição no Governo.

Bolsonaro assina MP que eleva valor do salário mínimo de R$ 1.039 para R$ 1.045
O presidente Jair Bolsonaro assinou a medida provisória que fixa o valor do salário mínimo em R$ 1.045 a partir de 1º de fevereiro. Em 31 de dezembro de 2019, uma medida provisória estipulou para 2020 o valor de R$ 1.039, com base em uma projeção de inflação. Mas o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que corrige o mínimo, ficou em 4,48% no ano passado. Assim, o reajuste do salário mínimo ficaria abaixo da inflação. Por isso, no último dia 14, o governo decidiu elevar o valor do mínimo para R$ 1.045. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o valor do salário mínimo serve de referência para 49 milhões de pessoas. Segundo os cálculos do governo, o aumento de cada R$ 1 no salário mínimo implica despesa extra em 2020 de aproximadamente R$ 355,5 milhões. Com o reajuste para R$ 1.045, o impacto estimado é de R$ 2,3 bilhões.

Cenário Socioeconômico

Contas do governo registram rombo de R$ 95 bilhões em 2019
As contas do governo apresentaram um déficit primário de R$ 95,065 bilhões em 2019, informou a Secretaria do Tesouro Nacional. Isso significa que as despesas do governo federal no ano passado superaram as receitas com impostos e tributos nesse valor. O conceito não inclui os gastos do governo com o pagamento dos juros da dívida pública. Foi o sexto ano seguido em que as contas ficaram no vermelho. Segundo a série histórica do Tesouro Nacional, esse também foi o menor rombo fiscal desde 2014, ou seja, em cinco anos. Em 2018, o déficit somou R$ 120 bilhões.

Desemprego fica em 11% em dezembro, mas ainda atinge 11,6 milhões, diz IBGE
A taxa de desemprego no Brasil ficou em 11% no trimestre encerrado em dezembro, atingindo 11,6 milhões de pessoas, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a terceira queda seguida do indicador, que ficou em 11,2% nos três meses até outubro. Com isso, a taxa de desemprego segue no menor patamar desde o trimestre encerrado em março de 2016, quando foi de 10,9%. Para trimestres encerrados em dezembro, é a menor taxa registrada desde 2015, quando ficou em 8,9%.

Rombo previdenciário bate recorde e avança para R$ 318 bilhões em 2019
A Secretaria do Tesouro Nacional informou que o déficit previdenciário total atingiu R$ 318,441 bilhões em 2019, com alta de 10% frente ao patamar do ano anterior (R$ 289,413 bilhões, valor corrigido). O valor refere-se à soma dos rombos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), do sistema público que atende aos trabalhadores do setor privado, dos Regimes Próprios dos Servidores Públicos (RPPS) da União, além do sistema dos militares e do Fundo Constitucional do DF (FCDF). Segundo números do Ministério da Economia, o aumento do déficit previdenciário do país, de 2018 para 2019, foi de R$ 29 bilhões. O valor do rombo, no ano passado, foi o maior da série histórica.

Fonte: Agência ANABB