× Modal
< Voltar


Não mexe no meu BB

O movimento #nãomexenomeuBB já impactou 12 milhões de pessoas na internet

Cada vez mais pessoas estão visualizando os vídeos e interagindo com os conteúdos da Campanha nas redes sociais


Em 03.09.2019 às 17:02 Compartilhe:

A campanha #nãomexenomeuBB, movimento de fortalecimento do Banco do Brasil frente às ameaças de privatização da Instituição e de suas subsidiárias, atingiu recentemente a marca de mais de 12 milhões de pessoas impactadas na internet. Esse número demonstra a relevância do assunto para os internautas, que também estão cada vez mais interagindo com os conteúdos, ou seja, curtindo, comentando e compartilhando o mesmo em suas redes de contatos.

O crescente engajamento e envolvimento das pessoas com a campanha, em especial no campo digital, acontece poucos dias após a Sessão Solene, que lotou o plenário da Câmara dos Deputados em agosto e reafirmou a relevância do Banco do Brasil como instituição pública, sólida e útil ao desenvolvimento social e econômico do País.

Os números demonstram o impacto positivo da Campanha da ANABB. Os vídeos, por exemplo, foram reproduzidos mais de 20 milhões de vezes, com envolvimento direto de 380 mil pessoas. Os posts e anúncios foram exibidos para 12,4 milhões de pessoas até o momento. Além disso, houve crescimento vertiginoso do número de seguidores nas redes sociais no período.

 

MAIS REPERCUSSÃO

O movimento #nãomexenomeuBB já foi repercutido na mídia, com artigos publicados em jornais e revistas, e junto a associações comerciais e entidades de classe, Rotary Clubs e Câmaras de Vereadores, que receberam materiais impressos da Campanha.

O impacto do movimento também está sendo positivo junto aos congressistas. Pesquisa encomendada pela ANABB, realizada pela empresa DataPoder 360, apontou que 70% dos parlamentares apoiam o Banco do Brasil contra a privatização e o consideram um banco eficiente.

 

Sessão Solene alusiva ao movimento #nãomexenomeuBB

Resultados das pesquisas realizadas junto aos parlamentares

Saiba tudo sobre a campanha #nãomexenomeuBB

 

Fonte: Agência ANABB