× Modal
< Voltar


Não mexe no meu BB

#nãomexenomeuBB: veja artigo publicado no Portal Poder360

O artigo assinado pelo presidente da ANABB aborda a importância dos bancos públicos para o desenvolvimento do País


Em 26.08.2019 às 17:09 Compartilhe:

O Portal Poder360, especializado em política nacional e internacional, divulgou um artigo assinado pelo presidente da ANABB, Reinaldo Fujimoto.

O artigo intitulado “A retomada econômica e o Banco do Brasil”, mostra a importância dos bancos públicos para o desenvolvimento do País e aborda a pesquisa de opinião realizada com 297 parlamentares, sendo 40 senadores e 257 deputados, de todos os partidos políticos, para saber a percepção geral dos parlamentares sobre o Banco do Brasil.

Leia a íntegra do artigo:

A retomada econômica e o Banco do Brasil

REINALDO FUJIMOTO*

Diversos economistas e especialistas, com base nos indicadores e projeções de crescimento, permanecem cautelosos e preocupados com o ritmo da economia brasileira. A persistente estagnação do mercado de trabalho – hoje cerca de 13 milhões estão em busca de emprego – aliada à queda do investimento e da renda apontam que será necessária uma nova agenda para a retomada econômica.

Com bancos públicos eficientes e fortalecidos, esta tarefa será menos árdua. Mas, recentemente, ouvimos de uma autoridade que sua proposta é “deixar o BB bem magrinho”, o que significa desprezar vínculos históricos, de mais de 200 anos, com o setor produtivo e com a sociedade.

O tema é oportuno. Nesta 5ª feira (22.ago), no Plenário Ulysses Guimarães, a Câmara dos Deputados faz sessão solene alusiva ao #movimento não mexe no meu BB, campanha nacional vinculada à agenda de fortalecimento e valorização dos bancos públicos.

No ato serão anunciados os resultados de entrevistas com 297 parlamentares, sendo 40 senadores e 257 deputados, de todos os partidos políticos. O retrato, solicitado pela Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (ANABB) ao DataPoder360, aponta os desafios do Congresso Nacional neste tema.

(clique aqui para acessar a pesquisa: www.anabb.org.br/pesquisa)

Causam receio as intenções de reduzir o papel dos bancos públicos na economia de um país com tantas disparidades regionais, onde coexistem arranjos produtivos tradicionais e oportunidades de negócios disruptivos como o fenômeno das startups.

Ao mesmo tempo, vislumbram-se vantagens escancaradas na agricultura, energia, óleo & gás, infraestrutura e comércio exterior.

Ainda sob a ótica do papel estratégico de bancos públicos sólidos, o BB reúne experiência e especialização no mercado internacional, com presença global em quase 120 países. No plano doméstico, outra dimensão é o atendimento especializado a mais de 700 mil pequenos empreendedores, responsáveis por cerca de 27% do Produto Interno Bruto (PIB).

A atuação estratégica é visível na exuberância da cadeia produtiva do agronegócio, um setor que representa em torno de 25% da riqueza do país. Este segmento inclui a pequena produção e a agricultura familiar, base da economia de 90% dos municípios com até 20 mil habitantes é expressiva.

A parceria do BB é significativa. Cerca de 60% do total dos financiamentos ao segmento agro é responsabilidade do Banco do Brasil. Crédito, espírito empreendedor e modernização tecnológica colocaram o Brasil líder mundial na produção de café e suco de laranja.

O país está em segundo lugar na produção de açúcar, complexo de soja, carne de frango, carne bovina, além de ocupar a terceira posição na produção mundial de milho. Na exportação de alimentos somos líderes no café, suco de laranja, complexo de soja, carne de frango e carne bovina e ficamos em 4º. lugar mundial nas exportações de milho.

O modelo de negócios “público e mercadológico” do Banco do Brasil tem também gerado resultados satisfatórios para o Tesouro Nacional e acionistas privados. O BB alimentou o caixa da União com R$ 32 bilhões nos últimos doze anos.

Não bastasse a entrega de resultados sólidos, preservando sua natureza pública, o trabalho dos funcionários do BB tem sido responsável pela conquista de excelentes indicadores de governança atestados pelos órgãos de controle e regulamentação como Banco Central, Corregedoria-Geral da União e Tribunal de Contas da União.

Destaque também para o reconhecimento do BB como instituição financeira mais sustentável do mundo e sua presença entre as dez corporações mais sustentáveis no ranking global, conquista anunciada pelo Fórum Mundial Econômico em Davos, na Suíça, em janeiro passado.

Como entidade que reúne cerca de 100 mil associados, uma das maiores da América Latina, sem vinculação político-partidária e sustentada unicamente pela contribuição dos sócios, a ANABB-Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil está vigilante e atuará para o fortalecimento do papel do BB na economia, até porque o maior cliente da empresa é o Brasil.

A bandeira dos bancos públicos sólidos como estimuladores da economia, não pertence a governos, autoridades, muito menos aos mercadores de ilusão.

Para impulsionar um novo ciclo de desenvolvimento, a sociedade pode contar com a experiência e a qualificação do corpo de funcionários, um contingente que trabalha nos nossos municípios mais remotos e todos os dias veste a camisa do país.

Afinal, o Brasil que carregamos no nome significa agir com responsabilidade e zelo em relação às nossas riquezas. E assim cumprir nosso destino como nação: uma sociedade próspera e mais justa, sonho de todos nós.

Reinaldo Fujimoto é presidente da Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (ANABB).

Fonte: Agência ANABB