× Modal
< Voltar


Cassi

Coparticipação foi tema mais discutido na reunião entre ANABB e Cassi

Reunião aconteceu nesta quarta-feira (26/6), a pedido da Associação, e contou com a presença de representantes da Mesa de Negociação


Em 27.06.2019 às 13:34 Compartilhe:

A ANABB e as entidades que compõem a Mesa de Negociação (AAFBB, CONTEC, CONTRAF e FAABB) se reuniram nesta quarta-feira (26/6) com a Diretoria da Cassi para tomar conhecimento das decisões que foram aprovadas pelo Conselho Deliberativo e que serão implementadas na Caixa de Assistência. Representando a ANABB, estiveram presentes Reinaldo Fujimoto e Graça Machado. Toda a Diretoria Executiva da Cassi participou.

Inicialmente, a ANABB solicitou que a comunicação da Cassi informe aos associados o que de fato tem sido feito internamente. Muitas decisões estão sendo tomadas sem a devida divulgação institucional e acabam sendo distorcidas nas redes sociais, gerando confusão. A Cassi se comprometeu em melhorar o processo de comunicação com os associados, que são os verdadeiros donos da entidade.

O tema coparticipação foi o mais discutido na reunião. A ANABB encaminhou carta ao presidente do Conselho Deliberativo da Cassi, no dia 13 de junho, se posicionando contra o aumento. Também pediu que fosse rejeitada a alteração do acordo firmado, quando da reforma estatutária de 2007, no que se refere ao limitador de 1/24 sobre a base de cálculo da contribuição devida à Cassi, de caráter não cumulativo. Ainda assim, o tema foi aprovado pelo Conselho por 5 votos favoráveis e 3 contrários.

CLIQUE AQUI E VEJA A CARTA DA ANABB AO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO DA CASSI

Na reunião, a Cassi considerou que o aumento da coparticipação e a alteração do limitador são, neste momento, uma das formas possíveis de garantir a sobrevivência da Caixa de Assistência. A ANABB solicitou que, tão logo surjam novas receitas, a coparticipação retorne ao patamar de 2019 e o limitador seja respeitado, conforme compromisso assumido em 2007. A Diretoria da Cassi se comprometeu em analisar o pedido.

Vale lembrar que, em 2007, a ANABB defendeu a reforma estatutária apresentada à época, tendo em vista o compromisso feito pelo Banco do Brasil de garantir que os valores de coparticipação que excedessem 1/24, em um determinado mês, não fossem acumulados para o mês seguinte. Esse compromisso do Banco foi elemento fundamental para aprovação da reforma estatutária, que já estava na sua quarta votação. A Associação defende ser inadmissível que o limitador seja alterado, pois o Banco estaria descumprindo um acordo. A ANABB confia na tradição do BB de sempre cumprir os compromissos firmados com seus funcionários.

Para relembrar o acordo feito com o Banco sobre o limitador, reproduzimos, abaixo, parte da cartilha oficial feita, em 2007, pelo BB e coordenada pelos então diretores Paulo Caffarelli (Marketing e Comunicação) e Izabela Campos (Relações com Funcionários e Responsabilidade Socioambiental). 

 

VEJA A ÍNTEGRA DA CARTILHA FEITA PELO BB EM 2007

CONTRAPARTIDA

De acordo com a Diretoria da Caixa de Assistência, a decisão do Conselho Deliberativo em aprovar o aumento da coparticipação e a alteração do limitador está condicionada a uma contrapartida do patrocinador, com as seguintes ações: antecipar receitas do convênio saúde do trabalhador junto ao BB (PCMSO) de 2020 no valor de R$ 69 milhões; suspender o ressarcimento da folha de pagamento dos funcionários do Banco do Brasil cedidos à Cassi (valor anual de R$ 13,2 milhões); solicitar o adiamento da cobrança da parte patronal do 13º salário (já antecipado) pelo BB para 2022 (R$ 80 milhões).   

Neste ponto, a ANABB entende que a antecipação de recursos pelo patrocinador representa um conjunto de ações imediatas que ajudam a sanar um problema momentâneo e possibilitam que a Cassi honre seus compromissos de curtíssimo prazo. No entanto, não resolvem o desequilíbrio financeiro da Caixa de Assistência, por serem adiantamentos que serão quitados posteriormente, e não representam a realização de novos aportes financeiros feitos pelo Banco.    

OUTRAS AÇÕES

Em relação às outras ações aprovadas pelo Conselho Deliberativo, destacamos as principais, que a ANABB entende que podem trazer prejuízos aos associados:

  • Suspender/encerrar a terceira instância de recursos aos participantes.
    A ANABB se posicionou contrária a essa medida, tendo em vista que acarretará prejuízos aos associados que mais necessitam do atendimento.
     
  • Suspender o reembolso/auxílio aos participantes das despesas com aparelhos com finalidade médica (aparelho auditivo), por serem extra rol da ANS.
    A ANABB solicitou à Cassi os valores correspondentes à utilização desse serviço para analisar se existe impacto significativo. A ANABB se posiciona para que o benefício continue como está. 
     
  • Remodelar o Programa de Assistência Farmacêutica - PAF.
    A ANABB se posicionou pedindo a garantia de que a relação de patologias que está contemplada não seja alterada. A Cassi informou que as mudanças serão de processos e não haverá redução nas patologias cobertas.   
     
  • Elevar para 90 dias o prazo de reembolso (livre escolha e materiais/medicamentos) aos participantes.
    A ANABB solicitou a manutenção do prazo que está em vigor e a Cassi se comprometeu em analisar o pedido.

Em relação aos outros itens, entendemos que são atos de gestão para melhoria dos processos internos da Diretoria.

Fonte: Agência ANABB