× Modal
< Voltar


Banco do Brasil

Lucro ajustado do BB é de R$ 13,5 bilhões em 2018

O valor é 20,6% maior se comparado ao quarto trimestre de 2017, de R$ 3,2 bilhões


Em 14.02.2019 às 10:47 Compartilhe:

O Banco do Brasil encerrou a temporada de divulgação de balanços dos grandes bancos brasileiros e comunicou ao mercado nesta quinta-feira (14/2), o resultado trimestral da instituição. O lucro ajustado do quarto trimestre de 2018 foi de R$ 3,8 bilhões. O valor é 20,6% maior se comparado ao quarto trimestre de 2017, de R$ 3,2 bilhões e 13% superior aos três meses anteriores.

De acordo com o BB, a especialização do atendimento e o avanço da estratégia digital influenciaram o desempenho positivo das rendas e tarifas, qualidade do crédito e controle das despesas administrativas.

Em todo o ano de 2018, o lucro líquido ajustado do BB foi de R$ 13,513 bilhões, incremento de 22,2% na comparação com 2017, quando o resultado alcançou R$ 11,060 bilhões.

A carteira de pessoa jurídica cresceu 0,6% no trimestre, mas recuou 4,6% em 12 meses, para R$ 219,951 bilhões. O banco encolheu 5%, em um ano, nas operações com médias e grandes empresas, e reduziu em 16,1% o portfólio de micro e pequenas. Apenas as operações com o governo tiveram desempenho positivo na comparação com dezembro de 2017. “A estratégia para MPE é de crescer principalmente nas linhas de capital de giro e recebíveis, com prazos mais curtos e adesão de garantias”, informou.

As operações com pessoas físicas totalizava R$ 196,654 bilhões no fim de 2018, o que representa alta de 2,7% em três meses e de 5% em um ano. Segundo balanço, o BB avançou principalmente nas linhas de consignado, financiamento imobiliário, cartão de crédito e empréstimos pessoais, e recuou em financiamento de veículos, cheque especial e CDC salário.

“Faz parte da estratégia do BB crescer nas linhas com melhor relação risco/retorno. Nesse sentido, destaque também para o empréstimo pessoal, que cresceu 55,2% em 2018 e alcançou R$ 7,3 bilhões, resultado da evolução da estratégia de oferta de crédito não consignado”, finalizou.


 

Fonte: Agência ANABB, com informações do Banco do Brasil