× Modal
< Voltar


Banco do Brasil

BB é o banco mais sustentável do mundo

Banco ficou em primeiro lugar no segmento financeiro e em oitavo no ranking mundial, entre as mais de 7.500 empresas avaliadas


Em 28.01.2019 às 17:37 Compartilhe:

Foi anunciado, durante o Fórum Mundial Econômico em Davos, na Suíça, que o Banco do Brasil foi considerado o banco mais sustentável do mundo e está entre as 10 Corporações Mais Sustentáveis no ranking Global 100 de 2019, da Corporate Knights. Entre as mais de 7.500 empresas avaliadas, o BB ficou em primeiro lugar no segmento financeiro e em oitavo no ranking mundial.

Para a ANABB, o reconhecimento é importante, pois mostra o comprometimento do Banco e de seus funcionários com um tema tão impactante para todo o mundo. A classificação abre as portas também para que a sustentabilidade seja discutida em diversas outras áreas.   

Um dos destaques do BB para a classificação no ranking em 2019 foi a alocação de R$ 193 bilhões em setores da Economia Verde.

São as seguintes as 10 corporações mais sustentáveis no ranking Global 100 de 2019:
 

1. Chr Hansen Holding – Dinamarca
2. Kering – França
3. Nestle Corporation – Finlândia
4. Orsted – Dinamarca
5. GlaxoSmithKline – Reino Unido
6. Prologis – Estados Unidos
7. Umicore – Bélgica
8. Banco do Brasil – Brasil
9. Shinhan Financial Group – Coreia do Sul
10. Taiwan Semiconductor – Taiwan

 

O Global 100 é um índice que classifica as empresas pela excelência em sustentabilidade, considerando as dimensões econômica, social e ambiental.  Para determinar o ranking, foram analisadas empresas de 21 países com base em dados públicos (dados financeiros e relatórios de sustentabilidade, dentre outros).

Economia Verde
Integram essa carteira as operações de crédito relacionadas a investimentos e empréstimos para energias renováveis, eficiência energética, construção sustentável, transporte sustentável, turismo sustentável, água, pesca, floresta, agricultura sustentável e gestão de resíduos. Para fomentar uma economia inclusiva também fazem parte das carteiras áreas de cunho social, como educação, saúde e desenvolvimento local e regional.

Fonte: Agência ANABB