× Modal
< Voltar


Banco do Brasil

Banco do Brasil lucra R$ 3,4 bilhões no 3º trimestre

A carteira de crédito ampliada totalizou R$ 686,3 bilhões e cresceu 1,4% em relação ao trimestre anterior


Em 08.11.2018 às 13:56 Compartilhe:

O Banco do Brasil divulgou nesta quinta-feira (8/11), o lucro ajustado do terceiro trimestre de 2018, de 3,4 bilhões. O valor é 25,6% maior se comparado ao terceiro trimestre de 2017, de R$ 2,7 bilhões, e 5,0% maior que o lucro do segundo trimestre.

De acordo com o BB, os principais fatores que impulsionaram o desempenho positivo foi a redução das despesas de provisão de crédito, além de um aumento das rendas de tarifas e pelo controle de custos, que variaram abaixo da inflação.

Entre junho e setembro, o banco somou R$ 636,95 bilhões em empréstimos, R$1,47 trilhões em ativos totais e R$ 12,58 bilhões em margem financeira gerencial. A taxa de inadimplência ficou em 2,83%, as despesas com provisão totalizaram R$ 3,26 bilhões e o retorno ajustado sobre o patrimônio líquido (ROE) de 14,3%. As despesas administrativas cresceram 0,8%, abaixo da inflação, resultando em um índice de eficiência em 12 meses de 38,7% no terceiro trimestre.

A ANABB entende que o lucro alcançado pelo BB reflete o esforço e o trabalho realizado pelos funcionários do Banco que se empenham em todo o país. A dedicação desses funcionários deve ser reconhecida e, por isso, o Banco deve ofertar melhores condições de trabalho, oferecendo um plano de saúde que proporcione bem estar e qualidade de vida a todos. A Cassi é o maior benefício percebido pelos funcionários do Banco do Brasil e mantê-lo é um forma de legitimar o esforço de cada funcionário.
 

Mais comodidade

De acordo com o balanço divulgado, o uso da tecnologia pelo banco trouxe mais comodidade, praticidade e transparência aos clientes do BB, pois passaram a contar com algumas novidades como as transações via WhatsApp e compras usando o Apple Pay, plataforma em que o BB é o único banco a oferecer a opção de débito, além da opção crédito.

Fonte: Agência ANABB, com informações do Banco do Brasil