× Modal
< Voltar


Cassi

Sem debate com as entidades, Cassi aprova proposta de Reforma no Estatuto

A ANABB não teve acesso às propostas de mudanças aprovadas pelo Conselho Deliberativo da Cassi


Em 03.08.2018 às 19:02 Compartilhe:

A ANABB tomou conhecimento de que, no dia 1º de agosto, a governança da Cassi aprovou propostas de mudanças em seu Estatuto Social, sem consultar as entidades que representam os funcionários da ativa e os aposentados do Banco do Brasil.

Vale lembrar que, um dia antes da reunião que tratou sobre o tema, a ANABB, junto com as entidades que compõem a mesa de negociação da Cassi, solicitou, por meio de carta à governança da Caixa de Assistência e ao Banco do Brasil, o acesso formal das entidades às propostas de alterações estatutárias antes de sua aprovação pelo Conselho Deliberativo. “A expectativa era que as entidades, que sempre participaram ativamente na construção de propostas para a sustentabilidade da Cassi, tivessem acesso ao conteúdo proposto, a fim de promover debates sobre os impactos aos seus associados”, ressaltou o presidente da ANABB, Reinaldo Fujimoto.

Segundo a Cassi, a proposta aprovada pretende promover modificações no modelo de custeio do Plano de Associados e realizar alterações e melhorias em sua gestão e em sua governança. Porém, a ANABB e as entidades não poderão se manifestar sobre as sugestões aprovadas pelo Conselho Deliberativo da Caixa de Assistência sem acesso ao conteúdo aprovado.

Para a associação, qualquer alteração estatutária na Cassi pressupõe a necessidade de avaliações e debates para saber se as mudanças atendem às expectativas dos usuários. “Lembramos, mais uma vez, que a Cassi pertence aos seus associados, de modo que qualquer alteração estatutária deve ser precedida de amplo debate com as entidades que representam os funcionários da ativa e aposentados do BB”, afirmou Fujimoto.

A proposta aprovada será, agora, encaminhada para anuência do Banco do Brasil e, posteriormente, submetida à apreciação do Corpo Social mediante procedimento de consulta. “Da forma como estão sendo conduzidas as alterações no estatuto, sem um debate adequado, será difícil para as entidades recomendarem sua aprovação”, enfatizou Fujimoto.

Fonte: Agência ANABB