× Modal
< Voltar


Cassi

Resoluções CGPAR: ANABB participa de reunião no Ministério do Planejamento

Participaram da reunião o presidente da ANABB, Reinaldo Fujimoto, e o vice-presidente de Relações Institucionais, João Botelho


Em 19.01.2018 às 14:58 Compartilhe:

Dirigentes da ANABB reuniram-se nesta terça-feira (16/1) com o Diretor do Departamento de Políticas de Pessoal e Previdência Complementar de Estatais, João Manoel da Cruz Simões, no Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão (MPOG), em Brasília. O objetivo da reunião foi detalhar pontos importantes das minutas de Resolução CGPAR (Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União). Participaram da reunião o presidente da ANABB, Reinaldo Fujimoto, e o vice-presidente de Relações Institucionais, João Botelho.

O diretor João Manoel reforçou que as Resoluções CGPAR estabelecem diretrizes para orientar as empresas estatais na condução de assuntos ligados à área de pessoal (cargos e salários, previdência complementar e planos de saúde). O objetivo é melhorar a maneira como as estatais administram seus planos de saúde, enquadrando-os nas mesmas regras e para evitar distorções.

O representante do governo também destacou que os planos de saúde oferecidos pelo Banco do Brasil, por meio da Cassi, não padecem dos desvios mais graves observados em muitas estatais. Para ele, “a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais tem uma preocupação com a sustentabilidade dos planos de saúde das estatais no longo prazo, uma vez que algumas empresas oferecem benefícios que fogem da realidade atual do país, com modelos antigos de custeio que não se sustentam. As medidas tomadas pelas resoluções são gerais e procuram adequar as 148 empresas desse universo”.

A intenção é que o texto da resolução seja aprovado ainda em janeiro, na Comissão Interministerial. Após aprovação, as estatais terão um prazo de quatro anos para se adequarem as diretrizes definidas.

Para o presidente da ANABB, “os usuários da Cassi devem utilizar o plano de forma sustentável e responsável, pois o uso indiscriminado dos planos de saúde contribui para a situação deficitária e para um possível aumento das contribuições. Utilizarmos de maneira consciente pode evitar que o limite do teto de contribuição seja ultrapassado”, enfatiza Reinaldo Fujimoto.

A ANABB continuará acompanhando o tema para avaliar os impactos das mudanças em comparação com o atual cenário da Cassi, sempre em busca de preservar a sustentabilidade da Caixa de Assistência.

Fonte: Agência ANABB