× Modal
< Voltar


Cassi

Proposta para sustentabilidade da CASSI será submetida à votação pelo Corpo Social

Agora, o documento será formatado e submetido à consulta e votação pelo Corpo Social


Em 27.10.2016 às 14:35 Compartilhe:

A Diretoria e o Conselho Deliberativo da Cassi aprovaram o Memorando de Entendimentos sobre a proposta para a sustentabilidade da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil. O documento foi aprovado pela Diretoria da Cassi e pelo Conselho Deliberativo nesta segunda-feira, 24/10. Agora, o documento será formatado e submetido à consulta e votação pelo Corpo Social.

De acordo com o Estatuto da entidade, a consulta ao Corpo Social da Cassi é obrigatória. Isso porque a proposta prevê aporte de recursos financeiros de cerca de R$ 40 milhões mensais, sendo R$ 23 milhões pelo Banco do Brasil, via ressarcimento de serviços, e R$ 17 milhões pelos associados, via contribuição extraordinária e temporária de 1%, até dezembro de 2019.

A Cassi divulgou que já solicitou anuência do BB para instituir a nova contribuição extraordinária de 1% para o Plano de Associados, até dezembro de 2019, conforme a pretendida alteração estatutária. Nesse caso, se aprovada pelo Banco, a Cassi deve promover, em breve, consulta ao seu Corpo Social sobre o tema.

A aprovação pelas instâncias da Cassi foi o último passo que devia ser cumprido, antes do Memorando de Entendimentos ser encaminhado para consulta ao Corpo Social. O documento havia sido assinado na última sexta-feira, dia 21/10, entre o Banco do Brasil e as Entidades de Representação dos Funcionários e Aposentados.

O Memorando contempla toda a proposta construída pelo BB e pelas entidades que participaram da mesa de negociações durante todo o processo. Seu conteúdo foi amplamente discutido no Fórum Cassi promovido pela ANABB e realizado no dia 15/10, em Brasília. Na ocasião, quase 150 representantes de diversas entidades, sindicatos, Contec e Contraf, diretores eleitos da Cassi e um representante do Banco debateram os pontos propostos e definiram, ao final, o engajamento de todos para que a proposta seja aprovada nas bases.

Agora, é preciso promover, esclarecer e debater com os associados para que a proposta seja aprovada e a Cassi possa receber novos recursos financeiros, seja contratada a consultoria e que inicie, o mais rápido possível, a primeira fase da execução dos projetos de melhoria de gestão. Vale lembrar que as entidades não consideram que essa proposta seja uma solução definitiva para a Cassi, mas é um passo importante para melhoria da gestão. A implantação dos pontos propostos, o acompanhamento dos projetos e as soluções apontadas em cada área, juntamente com a ampliação do Modelo de Atenção Integral à Saúde, podem ser o caminho para o equilíbrio e sustentabilidade da Cassi.

A ANABB está totalmente comprometida com essa solução e se engajará na divulgação do Memorando, incentivando e orientando os associados da Cassi a votarem favoravelmente à proposta.

Longo processo de negociação

Foram cerca de 20 meses de debates e reuniões com o Banco, em que a Comissão de Negociação, formada pelas entidades que representam os funcionários da ativa e aposentados do BB, focaram na construção de consensos para a formatação de uma proposta que possa socorrer a Caixa de Assistência da crise financeira que atravessa. Nesse tempo, foi fundamental a participação ativa de cada entidade – ANABB, AAFBB, FAABB, CONTRAF e CONTEC - na mesa de negociação.

É importante destacar que, durante todo o processo, aspectos fundamentais foram firmemente defendidos e mantidos, como o princípio da solidariedade, a corresponsabilidade do Banco e associados, a garantia de cobertura para ativos, aposentados, dependentes e pensionistas, além do desenvolvimento de projetos estruturantes e investimentos no Modelo de Atenção Integral à Saúde por meio da Estratégia Saúde da Família.

Com todo esse tempo de negociação, os recursos financeiros da Caixa de Assistência foram acompanhados para que não fossem zerados. Uma das providências nesse sentido, de iniciativa do Banco, foi a antecipação dos recursos do 13º para reforço de caixa para a Cassi. Continuamente, a Comissão de Negociação cobrava do BB medidas emergenciais para o equilíbrio das finanças da Cassi e propostas que envolvessem a sustentabilidade do Plano.

Principais pontos do Memorando

  • Governança, gestão e operacionalização da Cassi, por meio do desenvolvimento de projetos, com o apoio de empresa especializada de consultoria para análise e revisão de processos e sistemas. Também busca o aperfeiçoamento do modelo de gestão e de governança e dos processos internos, a redução de despesas, a viabilização de parcerias estratégicas e a criação de mecanismos de uso racional dos serviços do sistema integrado de saúde da Cassi.
  • Contribuição temporária e extraordinária dos Participantes do Plano de Associados de 1% sobre salários e benefícios de aposentadorias e pensões até dezembro de 2019.
  • Ressarcimento temporário e extraordinário de despesas pelo patrocinador - Banco do Brasil – no total de R$ 23 milhões por mês, com o valor sendo reajustado anualmente por índice oficial a ser estabelecido, de comum acordo, entre Banco do Brasil e Cassi, aprovado em suas respectivas instâncias decisórias.
  • Prestação de contas relativa ao andamento dos trabalhos e à implementação dos projetos trimestralmente, ao Patrocinador e ao Corpo Social, e às Entidades Representativas que compõem a Mesa de Negociação.
  • Melhoria da Auditoria e dos Controles internos com a instituição de estrutura de assessoramento ao Comitê de Auditoria (COAUD), a fim de oferecer melhores condições para exercer seu papel de apoio ao Conselho Deliberativo em relação à supervisão da gestão dos processos internos, inclusive o acompanhamento dos projetos.
  • Aperfeiçoamento do sistema de recrutamento e seleção dos funcionários, de forma que as contratações e promoções sejam realizadas por meio de processo institucional de seleção e ascensão.
  • Implementação de sistema de acompanhamento que possibilite a avaliação do desempenho operacional de todas as suas áreas, inclusive de atendimento receptivo, médico e de enfermagem, estabelecendo indicadores e metas, como por exemplo, Satisfação dos Participantes, Clima Organizacional, Controle das Despesas Assistenciais e Administrativas, dentre outros relacionados à sua gestão.

Fonte: Agência ANABB