× Modal
< Voltar


Cassi

Futuro da Cassi: Fórum reúne entidades para apreciar proposta do BB

o evento contou ainda com a participação dos Diretores Regionais da ANABB e representantes de entidades de todo o Brasil, em um total de 130 pessoas


Em 26.10.2016 às 12:58 Compartilhe:

A ANABB promoveu, em conjunto com demais entidades representativas dos funcionários do BB, o Fórum Cassi, no último sábado, 15/10, em Brasília, para socialização e discussão dos entendimentos sobre a última proposta do Banco do Brasil para o equilíbrio financeiro da Caixa de Assistência. Com a presença dos diretores eleitos da Cassi e um representante do BB, o evento contou ainda com a participação dos Diretores Regionais da ANABB e representantes de entidades de todo o Brasil, em um total de 130 pessoas. 

A abertura do Fórum foi feita pelo vice-presidente de Relações Funcionais da ANABB, Haroldo Vieira, que também conduziu todo o debate entre os presentes. A mesa de debate foi composta por Reinaldo Fujimoto, presidente da ANABB; Wagner Nascimento, coordenador da Contraf-Cut; Gilberto Vieira, secretário-geral da Contec; Célia Larichia, presidente da AAFBB; Isa Musa, presidente da FAABB; Humberto Almeida, diretor de Planos de Saúde da Cassi; Sandro Sedrez dos Reis, representando o diretor de Saúde da Cassi, William Mendes; e Carlos Célio Santos, diretor de Relações com Funcionários e Entidades Patrocinadas do Banco do Brasil. 

Além das entidades representadas acima, foram também convidados para o Fórum: coordenadores dos conselhos de usuários da CASSI, gerentes das unidades regionais da CASSI, Contraf-Cut, Contec e das entidades do funcionalismo do BB: AAFBB, FAABB e suas filiadas, Apabb, Fenabb, membros dos Conselhos Deliberativo e Fiscal da ANABB, componentes dos Conselhos Deliberativo e Fiscal e Diretoria Executiva da Cassi. 

João Botelho, vice-presidente de Relações Institucionais da Associação, apresentou um resumo da proposta feita pelo Banco do Brasil, com um breve histórico das negociações com as entidades. Segundo Botelho, a proposta do BB foi dividida em três etapas:

  1. Governança, Gestão e Operação, quando será contratada empresa de consultoria para elaboração de projetos estruturantes;
  2. Investimentos, quando a Cassi receberá 40 milhões/mês até dezembro/2019;
  3. Acompanhamento dos Investimentos, com a prestação de contas trimestral pela Cassi, ao patrocinador e ao Corpo Social, por meio das entidades.

Discussão e posicionamento das entidades sobre a proposta

Em seguida, os membros da mesa apresentaram o posicionamento de cada entidade sobre a proposta e discorreram sobre o tema. Reinaldo Fujimoto agradeceu a presença de todos e a organização do evento feita pela equipe da ANABB. “Ao discutir essa proposta, estamos tratando de nossas vidas e de nossas famílias”, disse Fuji. Ele disse que acredita que a proposta do Banco vai dar um equilíbrio financeiro à Cassi e que a ANABB já aprovou a proposta. No entanto, Fuji disse que seria importante que todos saíssem do evento sem dúvidas. 

Célia Larichia disse que a Cassi não pode esperar mais. E ela lembrou dos avanços que aconteceram desde o início das negociações. “Esse foi um trabalho conjunto por uma proposta que atende ao interesse dos associados”, disse a presidente da AAFBB. Ela disse ainda que todos os princípios que defendiam na mesa de negociação estão preservados na proposta. “Temos a convicção de que essa é a melhor proposta que temos hoje”, comentou, dizendo que a AAFBB também é favorável. 

Por sua vez, Isa Musa disse que essa proposta não pode ser considerada como “final”. Ela disse que, pessoalmente, não tem convicção de que essa seja a melhor proposta, pois a conta não fecha. “As coisas só vão funcionar se todos os projetos derem resultados. Quem garante isso?”, questionou Isa. E continuou: “A Cassi está com hemorragia profunda. 18 mil colegas poderão se aposentar e será que ficarão com a Cassi?”. Apesar de seus questionamentos, Isa disse que a FAABB decidiu aceitar a proposta. 

Wagner Nascimento, da Contraf-Cut, disse que entende que essa não seja a proposta final, mas que foi a proposta construída ao longo da negociação. “São muitos pensamentos diferentes. Mas, ao longo do tempo, fomos construindo consensos”, disse Wagner. Para ele, o mais importante foi a manutenção do princípio da solidariedade. Wagner defendeu a Estratégia Saúde da Família. “O grupo que é atendido pela ESF tem a curva de despesa reduzida ao longo do tempo”, afirmou. Ele disse também que a Contraf-Cut ainda não tem uma posição formada sobre a proposta, devido ao envolvimento da entidade com a campanha salarial, mas que no dia 18 haverá uma reunião onde o tema será deliberado. 

Em sua fala, Gilberto Vieira, da Contec, também comentou que a entidade não definiu ainda seu posicionamento pelos mesmos motivos da Contraf e que a próxima reunião da entidade somente será realizada nos dias 26 e 27/10. Pessoalmente, ele disse que também defenderá a aprovação na reunião. No entanto, terá que apoiar a posição institucional que for estabelecida. 

O representante da Diretoria de Saúde da Cassi, Sandro Sedrez dos Reis, disse que todos devem ter entusiasmo em buscar soluções e que a conta feita pelo BB, na sua proposta, é uma conta que coincide com os números que a Cassi tem hoje. “Mantermos nossa postura associativa é fundamental”, disse ele. Para Sandro, uma vez aceita a proposta, não devemos ir para casa dormir. “É preciso continuar vigilantes e cobrar as transformações que são necessárias”, finalizou. 

O diretor de Planos de Saúde da Cassi, Humberto Almeida, falou que esse é um dos momentos mais difíceis da Caixa de Assistência. “A Cassi está hoje dentro de uma UTI”, comentou. Humberto disse que, apesar da crise, a governança da instituição buscou todas as alternativas para honrar seus compromissos. No entanto, segundo ele, os recursos acabaram e é preciso que o BB faça adiantamentos para que a Cassi continue cumprindo suas obrigações. O diretor finalizou dizendo que “a Cassi hoje agoniza, precisando de recursos e alternativas para o seu futuro”. 

Por último, o diretor do Banco, Carlos Célio, disse que “todos nós temos um objetivo em comum e importante: a sustentabilidade da Cassi”. Ele disse que a Cassi é muito importante para o BB, sendo o principal produto para atrair novos funcionários e de muito valor para todos nós. Carlos Célio disse que tem que ser feito um trabalho completo na Cassi, na governança, na operação, nos programas, no custeio. Segundo ele, as garantias financeiras dão liquidez por um período para que a instituição não entre em insolvência. 

Após as considerações dos membros da mesa, foi aberto um momento para perguntas pelos presentes. Foram diversas perguntas aos componentes da mesa sobre a proposta do BB, em relação à continuidade dos déficits, o tempo de execução das decisões, a votação da proposta pelo Corpo Social, a composição de reservas, os parâmetros de negociação, entre outros questionamentos. 

No período da tarde, houve tribuna livre, onde quase 30 participantes puderam falar abertamente sobre suas opiniões quanto à proposta apresentada pelo Banco e discorrerem sobre seus posicionamentos, críticas, entendimentos e interpretações diversas. 

A conselheira e coordenadora do Grupo de Assessoramento Temático de Saúde da ANABB, Graça Machado finalizou este momento enfatizando a necessidade de uma aprovação rápida da proposta discutida. “Esta proposta mantêm todos os nossos princípios preservados, o que não dá é neste momento depois de 20 meses de discussão e a Cassi não ter recursos para pagar as despesas de outubro, pensar em outra proposta, não temos tempo. Esta apresentada foi feita em conjunto na mesa de discussão com as entidades e o Banco. Podemos sim, continuar pensando em melhorias, mais com a atual temos os nossos direitos preservados", concluiu Graça Machado.

Ao final do Fórum, foi acordado entre os presentes, o compromisso de transmitir para as suas bases os entendimentos e interpretações sobre a proposta apresentada pelo Banco, com engajamento de cada entidade no processo de disseminação das informações e defendendo junto a sua base a aprovação da proposta.  O texto será submetido à aprovação das instâncias decisórias da Cassi e do BB e, caso aprovado, será encaminhado para consulta ao Corpo Social da Cassi.


 

Veja mais na galeria

Representantes da Comissão de Negociação presentes na abertura do Fórum
1 de 10
Fonte: Agência ANABB