× Modal
< Voltar


ANABB

ANABB procura o BB para esclarecer notícias sobre demissão de funcionários

A ANABB, diante desses fatos preocupantes, procurou a presidência do BB para saber do posicionamento da instituição sobre o caso


Em 26.10.2016 às 12:22 Compartilhe:

A grande mídia divulgou a possibilidade de demissão de 18 mil funcionários do Banco do Brasil como parte de medidas para redução de custos. Esse anúncio tem gerado preocupação e um clima de tensão dentro das agências. 

Imprensa dá grande destaque sobre as mudanças no Banco do Brasil
O Banco do Brasil tem um gasto semestral pelo menos R$ 3 bilhões superior aos de seus concorrentes diretos, como o Bradesco e o Itaú. Segundo matéria do jornal Correio Braziliense, enquanto que o BB desembolsou R$ 9,3 bi com a remuneração dos funcionários, no primeiro semestre de 2016, o Bradesco gastou R$ 6,5 bi e o Itaú Unibanco R$ 5,8 bi. 

Ainda segundo o Correio, a rentabilidade do BB, que gira em torno de 7%, é metade do índice da concorrência. No entanto, o Banco afirma que, apesar dos custos elevados, demissão de funcionários não estão previstas nas mudanças em sua estrutura. Rumores na instituição falam de um programa de demissão voluntária (PDV) que tem como objetivo reduzir o quadro em 18 mil empregados, informação descartada pelo BB no momento. 

Uma das medidas para a redução da folha de pagamento na gestão Caffarelli é o não preenchimento das vagas dos que se aposentarem nos próximos anos. Essas e outras medidas ainda estão em estudo, o que pode contemplar até incentivos à aposentadoria. Mas isso tem que ser também debatido com a Previ, pois afeta o fluxo de desembolso com a previdência complementar. 

Entre as mudanças definidas no BB estão alterações nas atuais diretorias, com a extinção da Diretoria de Crédito Imobiliário (Dimob) e a de Relações com Funcionários e Entidades Patrocinadas (Diref), que passa a ser englobada pela Diretoria de Governança de Entidades Ligadas. 

Entre outras mudanças importantes, segundo a matéria, está a divisão da Diretoria de Estratégia da Marca dividida em Estratégia e Organização e Marketing e Comunicação. Dez diretores também perderam o cargo e outros cinco foram mudados de área. Com a medida, dez funcionários foram promovidos para o cargo de diretores, conforme também matéria do jornal O Estadão.

A ANABB, diante desses fatos preocupantes, procurou a presidência do BB para saber do posicionamento da instituição sobre o caso. A assessoria de imprensa do Banco do Brasil enviou a seguinte nota de esclarecimentos:

Nota de esclarecimento do Banco do Brasil 

“Não existe plano de demitir 18 mil funcionários. Demissões não fazem parte de estratégias que o BB implementa para buscar a eficiência operacional e o melhor equilíbrio de suas despesas. O Banco não adotou medidas desse tipo para alcançar, como os últimos resultados demonstram, equilíbrio rigoroso e contínuo de seus dispêndios com pessoal.

Especulações do gênero, sem qualquer crivo oficial, contribuem apenas para gerar clima de apreensão e ansiedade dentre os milhares de funcionários do Banco. Um contexto assim não favorece atos de gestão urgentes, que precisam ser implementados com inteligência corporativa, serenidade, em benefício do melhor retorno aos acionistas e da total transparência no relacionamento com as pessoas que trabalham no Banco. As mudanças na Diretoria, anunciadas dia 11, demonstram o zelo pelas configurações de comando da Empresa que melhor atendam às exigências do contexto. As adaptações foram iniciadas sem gerar novos custos ou qualquer impacto mais significativo para o cotidiano dos funcionários. 

O BB reafirma que as pessoas que aqui trabalham sempre serão seu ativo mais valioso, assim como ocorre em qualquer empresa moderna, sintonizada com valores humanos e que lança mão da inteligência corporativa para superar seus mais difíceis desafios.” 

A ANABB entende que, se decisões devam ser tomadas para melhorar a rentabilidade do Banco, isso não pode passar por medidas que venham prejudicar os funcionários. 

Os direitos de todos devem ser respeitados, pois defendemos um Banco que seja sempre útil à sociedade e exemplo de empregador. 

Fonte: Agência ANABB