× Modal
< Voltar


Cassi

O futuro da Cassi: ANABB avalia positivamente minuta de proposta para equacionamento de déficit

Na oportunidade, o Banco apresentou melhorias em relação ao que já havia sido proposto, principalmente em relação ao valor a ser investido na Cassi


Em 23.09.2016 às 15:34 Compartilhe:

Após amplo debate com as entidades que compõem a Comissão de Negociação da Cassi, a ANABB informa aos associados que está de acordo com a minuta de proposta final apresentada pelo Banco do Brasil para equacionar o déficit do Plano de Associados da Cassi.

As entidades tomaram conhecimento da proposta final do Banco em reunião realizada no dia 5 de setembro. Na oportunidade, o Banco apresentou melhorias em relação ao que já havia sido proposto, principalmente em relação ao valor a ser investido na Cassi.

Após a avaliação e a concordância das associações representativas de funcionários e aposentados como ANABB, AFABB e FAABB , além da Contraf, Contec e Sindicatos que compõem a Mesa de Negociação, a proposta será submetida à aprovação das instâncias decisórias da Cassi e do BB e, caso aprovada, encaminhada para consulta ao Corpo Social da Cassi.

A proposta apresentada pelo Banco contempla três grupos de ação e são os seguintes: o primeiro tratará de “Governança, Gestão e Operação”, o segundo de “Investimentos” e o terceiro fará o “Acompanhamento dos Investimentos”.

As ações do primeiro grupo serão desenvolvidas em duas fases: serão realizados projetos estruturantes financiados pelo Banco para melhoria e revisão de processos e sistemas e para aperfeiçoamento do modelo de gestão e de governança. Essa fase de projeto (diagnóstico, modelagem e planejamento da implementação) se dará até dezembro de 2016. A segunda fase de implementação irá até dezembro de 2017.

O segundo grupo de ações, “Investimentos”, objetiva prover de recursos financeiros para que a Cassi continue atuando. Até dezembro de 2019, a Cassi receberá R$ 40 milhões mensais para garantir suas operações essenciais, e serão assim divididos: o BB entrará com R$ 23 milhões por mês e os participantes da Cassi farão uma contribuição extraordinária de 1% mensal do salário/benefício, totalizando cerca de R$ 17 milhões.

O terceiro será de “Acompanhamento dos Investimentos”, o que significa que a Cassi fará uma prestação de contas trimestral ao patrocinador e, por meio das entidades que compõem a Comissão de Negociação, ao Corpo Social. Nessa etapa também haverá aperfeiçoamento do sistema de recrutamento e seleção.

Para garantir aos associados total conhecimento do que está sendo proposto, a ANABB  realizará, em breve,  um encontro com todas as entidades que integram a Comissão de Negociação e outras que desejarem. O objetivo da reunião é fazer uma exposição detalhada da proposta final do BB, de forma que os representantes das entidades possam dirimir todas as dúvidas e, assim, transmitir uma informação homogênea e confiável aos associados da Cassi de todo país.

Detalhamento das etapas
De acordo com a proposta final apresentada pelo BB, a primeira etapa do acordo contempla projetos para melhoria e revisão de processos e sistemas e contará com o apoio de uma empresa de consultoria especializada para desenvolvê-los. Além disso, será feito aperfeiçoamento do modelo de gestão e de governança. Serão, no total, 16 meses para diagnóstico dos problemas e implementação das propostas. As despesas destes projetos serão custeadas pelo BB.

O valor a ser investido mensalmente pelo BB – R$ 23 milhões – não será na forma de custeio, mas sim a título de ressarcimento de custos em programas de saúde vinculados ao Plano de Associados da Cassi. Os associados, por sua vez, vão investir R$ 17 milhões por mês. Veja Tabela 1.

Tabela 1: Proporcionalidade contributiva proposta no acordo

CategoriaVALOR (Milhões)% em relação aos 40 milhões
ParticipanteR$1742,5%
Patrocinador R$2357,5%
TotalR$40100%

A terceira etapa inclui a criação de uma nova estrutura de assessoramento ao Comitê de Auditoria (COAUD) e melhoria nos processos de recrutamento e seleção de colaboradores, bem como a implementação de melhorias no sistema de avaliação de desempenho operacional de todas as áreas da Cassi.

Ao longo dos 16 meses de negociação, a Comissão de Negociação, formada pelas entidades de representação dos funcionários ativos e aposentados, e entidades de representação sindical, trabalhou para construir consensos em torno de diversas propostas de solução apresentadas para a Cassi, dentre os quais a de investimentos no Modelo de Atenção Integral à Saúde, a da manutenção do princípio da solidariedade como premissa fundamental do Plano de Associados, a da corresponsabilidade entre o BB e os associados e, ainda, a manutenção da garantia de cobertura para funcionários ativos, aposentados, dependentes e pensionistas.

No acordo proposto, não haverá alteração estatutária. A consulta ao corpo social é necessária para autorização do débito da contribuição extraordinária. As responsabilidades do Banco estão sendo mantidas, bem como a garantia estatutária da proporcionalidade contributiva de 1 (associados)  x  1,5 (BB). Os programas sociais PAF e PAD, por exemplo, também estão sendo preservados.

Diferença na contribuição
A ANABB compreende eventual preocupação de associados em relação ao aumento das contribuições. Por isso, fez um breve levantamento sobre o impacto que a contribuição extraordinária trará para o bolso dos associados. Mesmo sabendo das dificuldades, a ANABB destaca que a minuta do acordo foi ajustada de forma que os funcionários da ativa, aposentados e pensionistas tivessem o menor impacto possível em seus orçamentos. No entanto, é importante enfatizar que sem essa contribuição extraordinária e o aporte do BB ficaria muito difícil encontrar soluções para assegurar um futuro sustentável para a Cassi.  

O levantamento feito pela ANABB levou em consideração os salários dos participantes entre R$ 3 mil e R$ 20 mil. Tendo em vista a atual contribuição dos associados na Cassi que é de 3%  e a contribuição extraordinária de 1%, a diferença entre o que se paga hoje e o que se pagará, caso a proposta seja aprovada pelo Corpo Social da Cassi, vai variar entre R$ 30 e R$ 200. Por exemplo, para o associado que ganha mensalmente R$ 4 mil, é descontado R$ 120 para a Cassi. No período de ajuste (até dezembro de 2019), esse valor passa a ser de R$ 160,00, ou seja, uma diferença de R$ 40,00 entre o que é cobrado hoje e o que está sendo proposto. 

Veja mais exemplos na Tabela 2.

Tabela 2 - Impacto Mensal da Contribuição Extraordinária

Faixa de Renda Percentual Atual (3,00%)Contribuição Extraordinária (+1%)Diferença mensal
R$ 3.000,00R$ 90,00R$ 120,00R$ 30,00
R$ 4.000,00R$ 120,00R$ 160,00R$ 40,00
R$ 5.000,00R$ 150,00R$ 200,00R$ 50,00
R$ 7.000,00R$ 210,00R$ 280,00R$ 70,00
R$ 10.000,00R$ 300,00R$ 400,00R$ 100,00
R$ 15.000,00R$ 450,00R$ 600,00R$ 150,00
R$ 20.000,00R$ 600,00R$ 800,00R$ 200,00


Fonte: Agência ANABB