× Modal
< Voltar


Resumo da semana

Mais uma semana com foco na CPMI

Foram destaques da semana: a CPMI, a criação da Comissão da Verdade e a Lei Geral de Acesso à Informação


Em 18.05.2012 às 00:00 Compartilhe:

 

A CPMI foi a grande estrela da semana. Nem a instalação da Comissão da Verdade, destinada a esclarecer os crimes praticados durante a ditadura militar, nem a entrada em vigor da lei geral de acesso à informação nem tampouco o anúncio da adesão do DEM à candidatura de José Serra, em São Paulo conseguiu desviar o noticiário das investigações sobre as relações do bicheiro Carlinhos Cachoeira com autoridades e empresas.

 

A posse dos sete integrantes da Comissão da Verdade, todos com um passado de conduta ilibada e de compromisso com a democracia, teve dimensão de decisão de Estado e não de um governo isoladamente. O gesto da presidente do convidar todos os ex-presidentes e chefes de poderes para comparecer à posse, foi importante para legitimá-la e mandar um recado para os militares, especialmente da reserva, que contestam a comissão.

A entrada em vigor da Lei Geral de Acesso à informação, que tem o propósito de reduzir drasticamente a cultura do segredo, retirando o caráter reservado ou sigiloso da quase totalidade das informações e registros públicos, apesar de algum destaque, ficou em segundo plano frente a CPMI. A lei,  que passou a vigor a partir de 16 de maior corrente, traz importantes mudanças de paradigma no país no que se refere a dados, arquivos e registros públicos, alterando profundamente a forma de relacionamento entre administração e cidadão. Ela reduz drasticamente a cultura do secreto e permite o acesso do cidadão a qualquer registro público, sem precisar explicar a razão do pedido. É um avanço monumental.

Já o noticiário sobre a CPMI, pelo menos na visão da imprensa, não foi tão nobre assim.  Apesar de ter convocado 51 pessoas para depor, algumas das quais com quebra de sigilo, a versão passada é de que foi feita  uma manobra  para blindar os governadores de Goiás, DF e Rio de Janeiro, além do presidente da Delta.

Entre os nomes convocados, entretanto, há muitas pessoas que foram operadoras do esquema ou que dispõem de muita informação sobre os envolvidos e, portanto, se resolverem falar poderão fornecer muita munição, inclusive contra aqueles que a imprensa acusa de a CPMI proteger, no casos os governadores citados e o presidente da Delta.

Outra notícia que ganharia mais espaço caso não houvesse a CPMI foi a adesão do DEM à candidatura de José Serra à Prefeitura de São Paulo.

Fonte: Agência ANABB