× Modal
< Voltar


Resumo da semana

Semana agitada politicamente

Começou com o anúncio da morte do ex-presidente e senador Itamar Franco (PPS/MG), e terminou com a demissão do ministro dos Transportes


Em 07.07.2011 às 00:00 Compartilhe:

A semana passada começou com o anúncio da morte do ex-presidente e senador Itamar Franco (PPS/MG), cujo funeral reuniu a atual e os ex-presidentes da República, e terminou com a demissão do ministro dos Transportes,  a segunda baixa por acusação de corrupção no Governo Dilma. 

 

Merecem registro, ainda: a) o inicio do recesso do Judiciário b) a rejeição na Comissão de Justiça do  Senado da lista fechada e do distritão, apresentados como  alternativas ao sistema proporcional na reforma política, e c) a aprovação, no plenário da Câmara, da MP 529, que trouxe importantes  mudanças na previdência da dona de casa, do deficiente e do microempreendedor individual.

Milhares de pessoas comparecerem ao velório do ex-presidente e  senador Itamar Franco, que faleceu no último domingo  em São Paulo em decorrência de um AVC, após  ter-se recuperado de uma leucemia e se curada de uma pneumonia.

Político ficha limpa, Itamar foi reverenciado pela enorme contribuição que deu ao País, tanto no exemplo ético, quanto na estabilidade política e econômica do Brasil.

Em seus mais de 50 anos de vida pública nunca sofreu acusação de corrupção ou desvio de conduta. Sempre levou uma vida modesta, sem esbanjamento, e nunca perdeu a simplicidade, mesmo quando exerceu os cargos de prefeito, senador, governador e presidente da República.

Além do legado da honestidade, foi no Governo Itamar Franco, após o impeachment de Collor, que foi concebido e implementado o plano de estabilidade econômica, o chamado plano real, que criou as condições para o crescimento do País, para a geração de emprego e renda, com a conseqüente redução das desigualdades sociais e da miséria.

Outra notícia de destaque foi a queda do ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, homem forte do Partido da República. Ex-ministro  do segundo Governo Lula, Nascimento retornou ao posto na gestão da presidente Dilma, mas não resistiu às denuncias de corrupção envolvendo sua Pasta.

A revista Veja desvendou o esquema de corrupção envolvendo as obras a cargos do ministério, comandado indiretamente pelo deputado Valdemar da Costa Neto (SP),  presidente de honra e atual secretário-geral do PR. A denúncia inicialmente levou à demissão dos principais auxiliares diretos do ministro, que, em menos de uma semana, não resistiu às novas revelações, especialmente as que apontavam o enriquecimento de seu filho de apenas 27 anos. O patrimônio do rapaz teria subido, em cinco anos, de R$ 60 mil reais para R$ 50 milhões de reais.

Foi consenso no noticiário de que o ministro não caiu junto com seus auxiliares por sua condição de presidente do PR, um partido com mais de 40 deputados e seis senadores, e também porque seu suplente, João Pedro (PT/AM), é compadre, amigo e protegido do ex-presidente Lula. Após um semestre de decisões polêmicas, entre as quais a legalidade da marcha da maconha, a união civil entre pessoas do mesmo sexo, a ampliação do aviso proporcional e a não vigência da lei do ficho limpa para eleição de 2010, o Supremo Tribunal Federal entrou em recesso até 1º de agosto. 

No Senado, a novidade ficou por conta da rejeição, na Comissão de Constituição e Justiça, das propostas de mudança na reforma política, especialmente a tentativa de substituição do sistema proporcional de lista aberta pelo sistema de lista fechada e também pelo sistema majoritário, o chamado “distritão”. A primeira alternativa, a lista fechada, era defendida pelo PT e a segunda, do “distritação”,  pelo PP e PMDB.

A notícia positiva da semana passada foi à aprovação da MP 529 que trata da filiação à Previdência do microempreeendedor individual com alíquota reduzida, de apenas 5%, com a extensão desse direito à dona de casa de baixa renda e também a garantia de benefícios previdenciários para os portadores de deficiência. A matéria agora depende de aprovação do Senado, que, juntamente com a Câmara, entrarão em recesso no período de 17 de julho a 1º de agosto.

Fonte: Agência ANABB