× Modal
< Voltar


Banco do Brasil

Caffarelli é empossado presidente do Banco do Brasil

Governo também deu posse aos presidentes da Caixa, BNDES e IPEA em cerimônia no Planalto


Em 02.06.2016 às 00:00 Compartilhe:


O presidente em exercício Michel Temer deu posse ao novo presidente do BB, Paulo Caffarelli, na quarta-feira (1º/06). Em cerimônia no Palácio do Planalto também foram empossados os presidentes de órgãos e empresas estatais: Pedro Parente (Petrobras), Gilberto Occhi (Caixa Econômica Federal), Maria Silvia Bastos (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e Ernesto Lozardos (Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicadas).

Caffarelli afirmou, após a cerimônia de posse, que os bancos públicos serão um importante instrumento do governo para a recuperação da economia do País. “O Banco do Brasil e as outras duas instituições estatais, Caixa e BNDES, estão juntos em busca de soluções para o momento econômico do País. Isso se faz com estímulo à exportação, com aumento do crédito para as empresas, com efeito na retomada do crescimento econômico”, afirmou.

Caffarelli é formado em direito, pós-graduado em Comércio Exterior e possui ainda mestrado em Economia pela Universidade de Brasília (UnB). Funcionário de carreira do BB por mais de 30 anos atuou em diversas áreas como atacado, negócios internacionais, private bank, mercado de capitais, e seguros. Alcançou aos cargos de gerente executivo na diretoria de Distribuição. Já ocupou a secretaria executiva do Ministério da Fazenda e a diretoria executiva da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

Caffarelli é associado da ANABB há mais de 20 anos e, em 2014 enquanto Secretário Executivo do MF, na edição 225 do jornal Ação, foi personagem da coluna “Funcionário do BB em destaque”.

Clique aqui e confira a íntegra da matéria.

EQUIPE ECONÔMICA
A equipe econômica do presidente interino Michel Temer ainda não está completada. Na semana passada, Romero Jucá deixou o Ministério do Planejamento após revelação de áudio em que ele criticava a Operação Lava Jato e a pasta passou a ser comandada interinamente pelo secretário-executivo Dyogo Oliveira.

Além disso, o economista-chefe do Banco Itaú, Ila Goldfajn, indicado para a presidência do Banco Central, ainda não foi submetido à sabatina do Senado necessária para que assuma o cargo.

O único nome confirmado oficialmente, também nesta quarta-feira, foi o do jurista Torquato Jardim como novo ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, pasta que substituiu a Controladoria-Geral da União (CGU).

O cargo estava vago desde a última segunda (30), quando o então chefe da pasta, Fabiano Silveira, pediu demissão em razão da repercussão negativa de um áudio, exibido com exclusividade pelo Fantástico no domingo (29), no qual ele, assim como Jucá, criticava a Operação Lava Jato.

Fonte: Agência ANABB, com informações de agências de notícias