× Modal
< Voltar


Banco do Brasil

Paulo Caffarelli é indicado para a presidência do BB

Caffarelli é associado da ANABB


Em 27.05.2016 às 00:00 Compartilhe:


O Ministério da Fazenda anunciou, na noite de quarta-feira (25/05), Paulo Caffarelli para a presidência do BB. Para que comece a exercer a função, o nome do executivo ainda precisa ser aprovado pelo conselho de administração do banco.

Caffarelli é formado em direito pela Pontifícia Universidade Católica de Curitiba, pós-graduado em Comércio Exterior, Direito Societário e Comércio Internacional e ainda possui mestrado em Economia pela Universidade de Brasília (UnB).

Funcionário de carreira do BB, atuou por mais de 30 anos em áreas como atacado, negócios internacionais, private bank, mercado de capitais, e seguros. Caffarelli ocupou ainda o cargo de secretário-executivo do Ministério da Fazenda entre 2014 e 2015 e foi membro suplente do Conselho Consultivo do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) no período de 2013 a 2014. Estava desde março de 2015 no cargo de diretor executivo da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

Caffarelli é associado da ANABB há mais de 20 anos e, em 2014, na edição 225 do jornal Ação, foi personagem da coluna “Funcionário do BB em destaque”.

Clique aqui e confira a íntegra da matéria.

CAIXA ECONÔMICA E BNB
Na mesma reunião de quarta-feira o Ministério da Fazenda informou que Gilberto Occhi comandará a Caixa Econômica Federal. A presidência do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) permanecerá sob o comando do economista cearense Marcos Holanda.

Mineiro de Ubá, Occhi é formado em Direito, com pós-graduação nas áreas de finanças, mercado financeiro e gestão empresarial. Funcionário de carreira da Caixa Econômica Federal, Occhi começou a trabalhar na instituição em 1980. Foi gerente de mercado no Espírito Santo, superintendente regional em Sergipe e depois em Alagoas e superintendente nacional da região Nordeste. Ele já atuou também como vice-presidente de Governo da Caixa.

O novo presidente da Caixa já foi ministro das Cidades da presidente afastada, Dilma Rousseff, entre março de 2014 e início de 2015 - quando assumiu o Ministério da Integração Nacional. Deixou essa pasta em abril deste ano, quando o Partido Progressista (PP), ao qual ele é filiado, abandonou a base de sustentação do governo Dilma em meio ao processo de impeachment.

Fonte: Fonte: Agência ANABB, com informações de agências de notícias