× Modal
< Voltar


Previ

ANABB acompanha apresentação de resultados da Previ

A ANABB esteve presente no evento de Brasília, representada pelos vice-presidentes Haroldo Matos e João Botelho


Em 08.04.2016 às 00:00 Compartilhe:


Dentre os temas que vem sendo abordados nas reuniões de apresentação de resultados da Previ, entre o presidente da Previ, Gueitiro Genso, representantes de entidades, inclusive da ANABB, e participantes da ativa e aposentados, têm merecido destaque, além do déficit registrado no ano passado, suas causas e perspectivas de equacionamento, também o teto de benefício e o pagamento de PLR para a diretoria.

A ANABB esteve presente no evento de Brasília, representada pelos vice-presidentes Haroldo Vieira e João Botelho e pelo assessor Guilherme Haeser. Na oportunidade, o vice-presidente João Botelho questionou a Diretoria da Previ quanto ao plano de ação para o equacionamento do déficit de 2015. O Sr. Gueitiro informou que este plano deverá ser apresentado até o fim do presente exercício, depois de verificados os resultados ao longo de 2016.

Segundo o Sr. Gueitiro, a Previ tem um teto de contribuição, mas não há exigência legal quanto à existência de um teto de benefício. Hoje há um consenso na diretoria, que deve existir um teto, mas há divergência entre os diretores indicados pelo BB e os eleitos pelos funcionários sobre quanto seria esse teto. Os funcionários defendem que seja o nível NFR1 (R$ 40.900,00), os diretores indicados pelo BB defendem que seja de R$ 49.000,00. A Diretoria encaminhou o assunto para o Conselho Deliberativo e este solicitou um parecer jurídico externo sobre o tema, que deve ficar pronto ainda neste semestre e somente então o CD vai decidir.

Gueitiro tem salientado, também, a importância do corpo funcional da Previ ser composto por funcionários do BB, bem como a exigência de que os dirigentes da Caixa de Previdência devem ter no mínimo dez anos de carreira no BB. Segundo ele, o CD da Previ aprovou, recentemente, a desvinculação dos salários dos dirigentes da Previ em relação ao salário dos dirigentes do BB.

Durante a apresentação em Brasília, foi feita pergunta sobre o pagamento do Benefício Especial Temporário (BET) aos pré-67 pela Previ, sem que o Banco, que é o responsável por esse grupo, tenha ressarcido os cofres da Previ. Em resposta, o diretor Marcel informou que apresentou uma nota à Diretoria, aprovada por unanimidade, para que o tema seja incluído nos debates do plano de equacionamento do déficit e que o banco seja notificado sobre o assunto.

A controvérsia se iniciou, quando do pagamento da primeira parcela do BET, em fevereiro de 2011, e o Banco não acatou o débito dos valores referentes ao grupo pré-67, alegando que não havia  provisão para tal no momento.

Na época, o Diretor de Seguridade, José Ricardo Sasseron, notificou o Banco, cobrando os valores pagos aos associados e o montante foi contabilizado em conta específica.

No encerramento do exercício de 2011, o Banco não concordou com o pagamento dos valores e os conselheiros e diretores eleitos registraram votos contrários à posição do Banco quando da aprovação das contas e do balanço daquele exercício por orientação da auditoria externa, no entanto foi registrado item nas notas explicativas sobre o tema.

O entendimento dos eleitos é que o Banco é responsável por 53,68% dos benefícios dos associados do grupo pré-67 por força do acordo de 1997.

Os valores pagos representam R$ 1,75 bilhão e, como foi repassado valor correspondente para a conta de utilização do patrocinador, o Banco se beneficiou duas vezes. O montante a ser ressarcido ao patrimônio do Plano1 é, portanto, de R$ 3,5 bilhões.

O tema entrou na pauta da ANABB para exame e encaminhamento de solução.

Fonte: Agência ANABB