× Modal
< Voltar


Assuntos diversos

Pesquisas revelam que mais de 50% já sofreram assédio no trabalho

A gravidade do problema exige novas ações; a ANABB continua contribuindo ao chamar a atenção para o conflito


Em 29.06.2015 às 00:00 Compartilhe:


Nova pesquisa sobre assédio moral no trabalho, realizada e publicada recentemente pela empresa Vagas.com, revela dados alarmantes sobre o tema. Dos 4.975 profissionais de várias empresas de todas as regiões do país ouvidos no fim de maio deste ano, 52% disseram ter sido vítimas de assédio sexual ou moral. E, entre quem não passou por esta situação, 34% já presenciaram algum episódio de abuso.

Mulheres são as principais afetadas. Entre as vítimas, elas são 54,4% e eles, 45,6%. O assédio moral é bem mais frequente do que o assédio sexual. Piadas, chacotas, agressões verbais ou gritos constantes lideram a incidência de casos. Segundo a pesquisa, 47,3% declararam já ter sofrido este tipo de agressão e mais da metade das vítimas são mulheres (51,9%).

Conforme a especialista em Recursos Humanos do Vagas.com, Fernanda Diez, a empresa está sempre atenta ao mercado de trabalho e percebeu que o assédio no ambiente de trabalho, seja ele moral ou sexual, é um tema ainda obscuro. A pesquisa foi realizada com o objetivo de gerar subsídios para a sociedade sobre o tema e o resultado surpreendeu a empresa. “Ficamos surpresos com o percentual de pessoas que declarou já ter sofrido assédio no trabalho, 52% dos respondentes. Nos causou ainda mais surpresa constatar que destes, 87,5% não denunciou a conduta. Cabe ressaltar que das pessoas que sofreram assédio, 39,6% delas declarou que o episódio impossibilitou ou causou dificuldades na vida profissional.”

Segundo ainda relata a especialista, o assédio no ambiente de trabalho pode prejudicar a produtividade e a motivação dos colaboradores e também causar danos à imagem da empresa. “Entendemos que este estudo pode ser benéfico para que pessoas e empresas possam se conscientizar da importância do tema”, afirma.

O Vagas.com enviou o questionário para 70 mil profissionais de sua base de dados, escolhidos entre os que tinham atualizado seu currículo nos seis meses anteriores e tinham ao menos um emprego em seu histórico.

Pesquisa da ANABB constatou percepções semelhantes no BB
O assédio moral é uma prática assustadoramente recorrente nas empresas. Como apontou também a pesquisa realizada no fim de 2014, pela ANABB, com os funcionários do Banco do Brasil, 69,85% disseram já ter presenciado alguma atitude de assédio moral e 52,29 afirmaram que já foram constrangidos no trabalho, a ponto de acreditar que era assédio moral. O assunto foi um entre vários abordados pela pesquisa que teve como objetivo conhecer o perfil dos funcionários de uma das mais importantes instituições financeiras do mundo. Veja detalhamento da pesquisa.

O estudo intitulado “Quem são os funcionários do Banco do Brasil?” foi realizado pela ANABB entre os dias 20 de outubro e 23 de novembro de 2014 e contou com a participação de mais de 6,5 mil funcionários da ativa do BB, que responderam a um questionário pela internet.

A gravidade do problema sobre assédio moral exige novas ações e o primeiro passo da ANABB é tornar o tema público e chamar a atenção para o conflito. A Associação também defende a criação de um ambiente constante de discussão entre funcionários, sindicatos, entidades e Banco do Brasil. “Essa discussão vai embasar o trabalho da Associação e nossas estratégias para conduzir o tema, que é de grande importância para a saúde e a integridade física e moral dos funcionários e, por isso mesmo, também deve interessar muito ao próprio Banco do Brasil”, afirma o presidente Sergio Riede.

Fonte: Agência ANABB