× Modal
< Voltar


Banco do Brasil

Juliana Publio, Caref eleita, desabafa sobre o inquérito disciplinar que sofre no BB

A nova Caref divulgou carta em que fala sobre a sua situação no Banco


Em 25.03.2015 às 00:00 Compartilhe:


Juliana Publio Donato foi a vencedora das últimas eleições para o cargo de Conselheiro Representante dos Empregados no Conselho de Administração do Banco do Brasil (Caref), com 27.196 votos, resultado divulgado em 13/3. Juliana divulgou recentemente carta em que esclarece sobre o inquérito disciplinar que está sofrendo no BB. Publicamos, a seguir, o conteúdo do desabafo de Caref eleita aos funcionários do Banco. Vale destacar que a ANABB está em contato com o banco a fim de buscar informações sobre o contexto e consequências da mencionada punição relatada pela Caref eleita Juliana Publio, no sentido de lutar para que ela possa exercer o mandato conquistado nas urnas.

Carta de Juliana Donato, representante CAREF eleita, aos funcionários do BB

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer aos mais de 27.000 votos dos colegas, que me elegeram como representante CAREF.

Porém, nesta quinta, dia 19/03, mesmo antes que eu desse entrada no ponto, fui chamada na mesa da gerente, que me comunicou que eu estava suspensa por 20 dias, como punição decorrente do inquérito disciplinar que estava respondendo.

O inquérito não aponta sequer uma falha em serviço. TODAS, absolutamente TODAS as acusações, foram enquadradas como "comportamentais" e têm diretamente a ver com minha atuação como delegada sindical. Estou sendo punida por denunciar um processo de reestruturação da área internacional que prejudicou muitos colegas, e por organizar nossa mobilização contra mais este ataque. Eu não fui a única a denunciar. Mas estou sendo punida para servir de exemplo aos demais. Por isso, a punição é inaceitável. Aceitá-la significaria admitir que estamos proibidos de lutar. E isso não faremos nunca!

A liberdade de expressão e de organização sindical foi conquistada a duras penas, com muita luta dos trabalhadores, e é nosso dever preservá-las, resistindo a estes ataques. Não podemos aceitar este ataque por parte da direção de uma empresa pública, controlada por um governo do Partido dos Trabalhadores, que foi parte desta luta por democracia no país. Dilma e a direção do BB têm que rever imediatamente esta punição aos que lutam!

O BB já tentou impedir que eu concorresse às eleições do CAREF. Através de uma medida judicial, eu consegui garantir o direito a concorrer. Depois de uma vitória inquestionável, eles foram obrigados a homologar o resultado. Mas ainda é preciso garantir a posse. Eles têm medo, não exatamente de mim, mas do que eu represento: a maioria dos funcionários do BB, que não aguentam mais tanta exploração e repressão.

Lutar contra esta punição e garantir a minha posse é tarefa de todos nós. Precisamos dos Sindicatos e da CONTRAF/CUT na primeira linha desta batalha, divulgando este ataque amplamente, exigindo do banco e do governo a retirada da punição e a garantia de minha posse como representante.

Recorrerei administrativamente e, se preciso, juridicamente, mas precisarei também do apoio de vocês. Estou confiante, pois, apesar disso, meu dia começou muito bem. Antes da suspensão, vieram os sorrisos, os abraços, os parabéns, a empolgação, a felicidade de muitos que vieram me cumprimentar assim que me viram.

Essa vitória e essa felicidade eles não tirarão de nós. É exatamente daí que vou tirar forças pra mais essa batalha.

Fonte: Agência ANABB