× Modal
< Voltar


Assuntos diversos

Cassi: o debate é urgente

A ANABB buscou contato com os Diretores Eleitos da CASSI, Mirian Fochi e William Mendes, assim como com o Diretor do BB Carlos Neri


Em 16.01.2015 às 00:00 Compartilhe:


Circulam pela  internet informações de que o Banco do Brasil teria apresentado formalmente à CASSI proposta de elevação do percentual de contribuição dos funcionários do BB de 3% para 4,5% dos salários. Desta forma, as contribuições dos associados se igualariam à da patrocinadora, em 4,5% para cada.

Outras informações asseguram que o BB, além da proposta de tornar as contribuições paritárias em 4,5%, teria imposto cortes em direitos e aumento da coparticipação em exames e consultas médicas já a partir de janeiro/2015, além de ter determinado cortes no atendimento de pessoas com doenças crônicas e no programa de assistência farmacêutica, também a partir de janeiro. Fala-se também na criação de franquia de R$ 1.500,00 em internações.

A ANABB buscou contato com os Diretores Eleitos da CASSI, Mirian Fochi e William Mendes, assim como com o Diretor do BB Carlos Neri. Até a publicação desta matéria, não foi possível conversar com nenhum deles.

A Diretoria Executiva da ANABB, conforme já divulgado em edições anteriores e em reunião com os Diretores Regionais da Associação, confirma que a CASSI está consumindo reservas do Plano de Associados para pagar as despesas médico-hospitalares de seus associados. A velocidade deste consumo de reservas aumentou com o fim do BET e a consequente diminuição de receitas da CASSI. Esse fato, por si só, já é grave o suficiente para que todos os associados e suas entidades representativas busquem debater o tema da sustentabilidade da CASSI e da necessidade de manutenção dos níveis de atendimento que os funcionários têm até hoje.

Os diretores eleitos da CASSI têm feito uma série de reuniões pelos estados e têm visitado as sedes de entidades representativas do funcionalismo, sindicais ou não, para expor a situação da Caixa de Assistência e para informar os caminhos que eles têm optado para garantir a sustentabilidade da CASSI.

Já estão em debate a possibilidade de ampliação do modelo de atenção integral à saúde e da estratégia de saúde da família, para reforçar o modelo que trabalha com a lógica da prioridade na prevenção de doenças e da promoção da saúde, ao invés da lógica de foco prioritário no tratamento de doenças.

Também está em debate a proposta de estrutura de custeio do plano. Neste contexto, discute-se se deve ser mantido o rateio dos custos totais (de todos os usuários, funcionários e seus dependentes) pelos funcionários do BB, ou se este custo total deve ser dividido por todos os usuários, onde cada um paga pelo “risco de uso” de si próprio e de cada um de seus dependentes. Ou seja, há um debate sobre a manutenção da lógica da solidariedade onde todos pagam um percentual possível para todos e usam de acordo com as suas necessidades, ou se deve ser considerada a lógica da individualidade, onde cada pessoa paga um valor único pelo número de vidas cobertas na sua família (ele mesmo e seus dependentes), independentemente do quanto isso impactará na renda de cada pessoa, e se o montante para um segmento de associados significará manter alguns de seus dependentes sem cobertura do plano.

Além desses temas, também estão sendo discutidos os impactos que eventuais aumentos do valor da contribuição dos associados podem ter em suas rendas, em qualquer que seja o modelo de custeio a ser definido. Quanto à possibilidade de o BB vir a contribuir mais com o Plano de Associados, é preciso discutir o embasamento técnico da solicitação, assim como os mecanismos que possam ter eficácia para conquistar a concordância do Banco.

Se por um lado é importantíssimo que todos saibam das intenções, das propostas e debates que estão ocorrendo, e participem dos diversos fóruns de discussão do tema, patrocinados pelas diversas entidades representativas dos funcionários do BB, também é importante saber que:

    1. As contribuições dos associados e da patrocinadora estão definidas no estatuto da CASSI;

    2. O Estatuto da CASSI só pode ser alterado após consulta aos associados; 

    3. Os demais itens de cobertura do plano, previstos em regulamento, só podem ser alterados por decisão do Conselho Deliberativo da Caixa de Assistência, que tem a representação da patrocinadora e dos associados.

A ANABB está enviando convite, nesta data, para as entidades nacionais representativas dos funcionários do BB, da ativa e aposentados, para reunião na ANABB, no dia 22/01/2015.

Também está procurando marcar reuniões com dirigentes da CASSI e do BB sobre este assunto para o mais breve possível. Assim que a Entidade apurar mais informações, as mesmas serão imediatamente divulgadas para todos os associados.


Fonte: Diretoria Executiva