× Modal
< Voltar


ANABB

Banco do Brasil cria 'agência delivery' no Japão

Batizado de BB Móvel, o veículo oferece serviços como abertura de contas, envio de remessas, atualizações cadastrais, entre outros


Em 19.12.2013 às 00:00 Compartilhe:

 

Para ampliar a presença no Japão, onde se tornou o único banco brasileiro com pontos de atendimento, o Banco do Brasil desenvolveu uma "agência delivery". Batizado de BB Móvel, o veículo - adaptação de um modelo mini da montadora japonesa Daihatsu - oferece serviços como abertura de contas, envio de remessas, atualizações cadastrais, entre outros. O banco desenvolveu esse modelo exclusivamente para o mercado japonês, onde tem cinco agências (em Tóquio, Gotanda, Hamamatsu, Nagoia e Gunma) e três subagências nas cidades de Ibaraki, Negano e Gifu.

A cada missão do BB Móvel, dependendo do perfil de atendimento, são destacados dois atendentes do quadro funcional do BB no Japão, que inclui brasileiros, latinos, japoneses e chineses. Um deles também fica encarregado de dirigir o carro. Neste ano, o veículo passou por oito cidades (Hamamatsu, Toyohashi, Iwata, Nagoya, Gifu, Tóquio, Toyota e Kosai). Para o ano que vem, pelo menos mais uma unidade desse tipo vai entrar em circulação.

Além de levar atendimento bancário a cidades onde não existe uma ponto de atendimento do BB, o veículo pode atuar em momentos de grande aglomeração de pessoas e em situações de catástrofes.

O diretor de Negócios Internacionais do BB, Admilson Monteiro Garcia, ressalta que o modelo é muito mais econômico para o banco. A instalação da agência bancária no carro tem custo baixo. Além do material de escritório, é preciso acoplar uma bateria para que tudo funcione, uma vez que a legislação japonesa proíbe que veículos parados continuem ligados.

A "agência delivery" do BB não permite operações com dinheiro em espécie. Para essas transações, os clientes têm à disposição 55 mil terminais de autoatendimento, compartilhados com outros bancos. No Brasil, ao todo, o banco dispõe de 60 mil caixas eletrônicos.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo