× Modal
< Voltar


Assuntos diversos

Salta a fatia do BB na emissão de CDB

De 2006 para 2012, impressionante é o salto do Banco do Brasil no ranking dos maiores emissores de depósitos a prazo


Em 07.01.2013 às 00:00 Compartilhe:


O ranking de emissores de títulos privados no Brasil é revelador sobre a evolução do nosso sistema bancário nos últimos anos e quanto à opção dos governos recentes por uma participação mais ativa dos bancos públicos no financiamento da atividade econômica e consumo. Os dez maiores bancos brasileiros, mostram dados do Banco Central (BC) sobre depósitos a prazo, ampliaram sua gigantesca fatia na captação de recursos junto aos investidores domésticos. Esse elenco passou por pequena mas substantiva mudança em sua composição. E elevou de 80% para 83,5% sua generosa fatia na captação do total de depósitos do sistema entre 2006 e junho de 2012.

No período de sete anos, três bancos saíram desse ranking. O Safra é um deles. Os outros dois, ABN Amro e Unibanco, foram absorvidos por outras instituições. No conjunto mais recente de maiores emissores de títulos bancários, os três membros substitutos (para compor dez integrantes) são Banrisul, Citibank e BTG Pactual.

De 2006 para 2012, impressionante é o salto do Banco do Brasil no ranking dos maiores emissores de depósitos a prazo. O BB, que ocupava a quinta posição com 8,4% da captação total de depósitos do sistema, passou à cabeça do ranking em 2012, respondendo por 23,2%. Nesse intervalo, o Bradesco deixou a liderança, com 12,8% do total, recuando em 2012 para o terceiro posto com 13,6%. Já o Itaú, que no período converteu-se em Itaú Unibanco, subiu da oitava posição como emissor de CDB, com fatia de 5,9% do total, para a segunda posição, com 13,9%.

A Caixa Econômica Federal, vedete no sistema bancário brasileiro com desempenho extraordinário no segmento de crédito em 2012, ainda não mostrou exuberância semelhante à do parceiro Banco do Brasil - ambos controlados pelo Tesouro Nacional - quanto ao quesito depósitos a prazo até junho de 2012. E talvez isso nem venha a acontecer, uma vez que a Caixa vem priorizando a expansão de sua base de clientes e também de correntistas que são provedores de conta corrente ou depósito à vista.

Fonte: Valor Econômico