× Modal
< Voltar


Assuntos diversos

Bancários aceitam proposta da Fenaban e voltam ao trabalho

Os dias da greve deverão ser compensados até o dia 15 de dezembro


Em 27.09.2012 às 00:00 Compartilhe:


Os bancários do Banco do Brasil e dos bancos privados voltam ao trabalho nesta quinta-feira (27/09).  A maioria das assembléias aprovou a nova proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e as reivindicações específicas dos funcionários do BB.  Já os empregados da Caixa não aceitaram as propostas e permanecem em greve.

A nova proposta da Fenaban, que foi apresentada ao Comando Nacional no oitavo dia de greve, eleva o reajuste nos salários de 6% para 7,5% (2% de aumento real), contém um acréscimo de 8,5% no piso salarial e nos auxílios-refeição e alimentação (ganho real de 2,95%) e aumenta 10% no valor fixo da regra básica e no limite da parcela adicional da Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

A Fenaban aceitou a reivindicação de que os salários dos bancários afastados que aguardam perícia médica sejam mantidos pelos bancos até que seja regularizada a situação junto ao INSS. Há inúmeros casos em que o trabalhador recebe a alta programada do INSS, mas acaba sendo considerado inapto no exame de retorno ao trabalho realizado pelos bancos, ficando sem benefício do INSS e sem salário.

Além disso, a Fenaban também assumiu o compromisso com a proposta do Comando de fazer um projeto-piloto para experimentar medidas defendidas pelos bancários e vigilantes para a melhoria da segurança nos bancos, como portas de segurança, biombos entre a fila e os caixas, e divisórias entre os caixas, inclusive os eletrônicos, dentre outras demandas. A Fenaban indicou as cidades de Recife, Olinda e Jaboatão para a realização do projeto-piloto, com participação e acompanhamento dos bancários nas etapas.

Os dias de greve não serão descontados dos bancários, que terão que compensá-los. A reivindicação era a  anistia, mas a Fenaban não aceitou e apresentou a mesma regra do ano passado de compensação até 15 de dezembro. Assim, os dias parados serão compensados em, no máximo, duas horas por dia, de segunda a sexta-feira, exceto feriados.

Fonte: Agência ANABB com informações da Contraf-CUT