× Modal
< Voltar


Assuntos diversos

Governo quer adotar idade mínima para substituir fator previdenciário

Ministro da Previdência, Garibaldi Alves Filho, diz que a simples adoção da regra 85/95 não compensaria totalmente o fim do fator


Em 04.07.2012 às 00:00 Compartilhe:


Ministro da Previdência, Garibaldi Alves Filho, diz que a simples adoção da regra 85/95 não compensaria totalmente o fim do fator

O governo está decidido a emplacar a adoção da idade mínima para aposentadoria durante as discussões do mecanismo que vai substituir o fator previdenciário. O ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, afirmou ontem que a simples adoção da chamada regra 85/95 - soma da idade e do período de contribuição de mulheres e homens, respectivamente - não compensaria totalmente o fim do fator, que dará neste ano uma economia de R$ 10 bilhões para a Previdência.

Por isso,o governo estuda propor a instituição da idade mínima e também uma " fórmula móvel" para que os valores de 85/95 sejam elevados na medida em que a população brasileira for envelhecendo.

A urgência do governo em fechar uma proposta se deve à decisão do presidente da Câmara dos Deputados,Marco Maia (PTRS), de tentar votar um projeto que acaba com o fator previdenciário, mecanismo usado para definir o valor do benefício que leva em conta o tempo de contribuição, a idade e a expectativa de vida do trabalhador.O fator obriga o trabalhador a ficar mais tempo na ativa para conseguir o benefício integral.

Os deputados querem votar o projeto que troca o fator pela regra que define aposentadoria pelo teto para trabalhadores cuja somada idade e do tempo trabalhado chegar a 85 anos, no caso de mulheres, e 95 anos, nos homens. Não há previsão de correção desses valores no futuro.

A chamada regra do 85/95 tem o apoio das centrais sindicais. A mudança é benéfica, principalmente, para as mulheres,que podem se aposentar com benefício 40% maior. No caso dos homens, o aumento é de 15%.

Cálculos
Garibaldi Alves disse que a proposta do governo está em fase "embrionária e técnica", mas que apresentará aos líderes do governo no Congresso cálculos sobre o impacto dessas medidas na reunião marcada para terça- feira. A expectativa é que seja possível votar a mudança em agosto,após o recesso parlamentar e antes das eleições.

Ontem,a ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, também falou sobre o tema e disse que é preciso garantir desde já que a nova fórmula não fique desatualizada." Basta a expectativa de vida crescer mais cinco, dez anos, que essa fórmula 85-95 já fica defasada", comentou Ideli. "Houve sinal por parte dos líderes da possibilidade de fazermos uma espécie de fórmula móvel. Quando sobe a expectativa de vida, também sobe o resultado do somatório."

Ideli disse que o governo está em busca da "melhor fórmula" para substituir o valor de cálculo das aposentadorias. "Vamos aproveitar isso para dar uma reestruturada e sustentabilidade maior na Previdência." Segundo dados da Previdência, mesmo com o fator, a expectativa é de aumento no déficit do INSS, que hoje está abaixo de 1,0% do Produto Interno Bruto(PIB)para cerca de 5% do PIB em 2050.

Ontem, aposentados e pensionistas promovem cortejo seguido de enterro simbólico com caixão do fator previdenciário no Salão Verde da Câmara,em Brasília.

Fonte: O Estado de S. Paulo