× Modal
< Voltar


Assuntos diversos

Leilão de aeroportos: entenda a participação da Previ no consórcio

Diversas consultas dos associados ao Call Center da ANABB foram registradas


Em 10.02.2012 às 00:00 Compartilhe:


Logo após ser anunciado que o consórcio Invepar-ACSA, formado pela holding Invepar – empresa de infraestrutura da qual fazem parte Previ, Petros, Funcef e OAS – e pela sul-africana ACSA, arrematou o Aeroporto Internacional de Guarulhos, diversas consultas dos associados ao Call Center da ANABB foram registradas. A maior preocupação é com a participação indireta da Previ nesta parceria. Por sua vez, o consórcio afirma que o alto lance de R$16,2 bilhões não compromete a saúde financeira da empresa.

Vários foram os questionamentos quanto ao arremate dos aeroportos, em especial ao de Guarulhos:  lances altos, dívidas exorbitantes, o risco de ter a Infraero como sócio, por ser uma empresa pública em que se têm várias histórias de parcerias público-privadas que estão caminhando vagarosamente por conta da malha do estado e até mesmo a possível fragilidade do edital foram alguns dos argumentos apresentados.

Os ágios (sobrepreços) no leilão, considerados altos por algumas fontes,  são umas das principais preocupações. Em Guarulhos, o valor oferecido pela Invepar foi 373% mais alto que o preço mínimo. Ano a ano, a empresa terá que pagar ao governo R$ 800 milhões. O valor da outorga é maior que toda a arrecadação do aeroporto em 2010, que foi R$ 693,1 milhões. A operadora terá que bancar ainda obras avaliadas em R$ 4,6 bilhões, sendo R$1,4 bilhão até 2014. 

O que diz o Consórcio

Em entrevista para o jornal Valor Econômico, o presidente executivo da Invepar, Gustavo Rocha, afirmou que a empresa não vai arcar sozinha com o pagamento da outorga e dos investimentos nos 20 anos de concessão, com renovação de mais cinco. "O pagamento anual da outorga, no valor de R$ 800 milhões, será feito pela concessionária que vai administrar o aeroporto, conforme previsto no plano de concessão publicado em anexo ao edital", disse ele. A parte privada da Sociedade de Propósito Específico terá 45,9% da Invepar e 5,1% da ACSA.

Algumas estratégias imediatas para aumentar o faturamento de Guarulhos estão sendo previstas, como a construção de um estacionamento com capacidade para 15 mil carros, além da construção de mais um terminal, pois a previsão de aumento é de em torno de 15% no número de passageiros até a Copa do Mundo de 2014. Todo o recurso para modernização, expansão e reforma até o Campeonato Mundial somam R$1,8 bilhões e desse total, 51% ou seja, R$918 milhões serão custeados pela Invepar, o restante será financiado pela Infraero.

O consórcio acredita em uma rentabilidade crescente em longo prazo, com uma expectativa de retorno superior à média mundial de 8% de investimentos em aeroportos semelhantes. 

Para o presidente da Previ, Ricardo Flores, “o crescimento da Invepar, conjugado à entrada em novos negócios, amplia a capacidade de retorno do investimento, compatibilizando-o com sua finalidade de precípua, que é o pagamento de benefícios de aposentadoria aos nossos participantes”, acredita Flores.

Fonte: Agência ANABB com informações Valor Econômico