× Modal
< Voltar


Banco do Brasil

BB e Estado de Goiás assinam o primeiro acordo para o Minha Casa Minha Vida

O vice-presidente do BB e governador assinaram protocolo para viabilizar a execução do Programa no estado


Em 25.11.2011 às 00:00 Compartilhe:

O vice-presidente de Agronegócios e Micro e Pequenas Empresas do BB, Osmar Dias, e o governador Marconi Perillo assinaram essa semana (23), em Brasília, protocolo de intenções para viabilizar a execução do Programa Minha Casa Minha Vida, no estado de Goiás. O acordo firmado irá atender às famílias com renda bruta mensal de até R$ 1600,00, que integram a Faixa 1 do Programa do Governo Federal. O início da operacionalização está previsto para janeiro de 2012.

Para o vice-presidente Osmar Dias, o acordo é importante para fortalecer a parceria entre o BB e o estado de Goiás. “É com grande honra que o Banco do Brasil assina este protocolo e recebe a incumbência de executar este Programa, que além do caráter social tem também o caráter negocial. Queremos que essa parceria seja modelo para futuros acordos que vierem a ser celebrados com outros estados”.

Os diretores do BB Paulo Ricci, de Governo, e Gueitiro Matsuo Genso, de Empréstimos e Financiamentos, além de deputados e demais autoridades do estado de Goiás também participaram da cerimônia de assinatura.

 

Sobre o Programa Minha Casa Minha Vida

O Programa Minha Casa Minha Vida - Fase 2, divulgado pelo Governo Federal em Junho/2011, tem como meta construir dois milhões de moradias  no Programa Nacional de Habitação Urbana (PNHU) - Faixa 1 para famílias com renda familiar bruta mensal de até R$ 1,6 mil no período de 2012 a 2014. O Banco do Brasil participará viabilizando os empreendimentos junto às Construtoras, Incorporadoras e Prefeituras a partir de 02 de janeiro de 2012, com o lançamento de produtos e soluções completas aos públicos.

O Banco do Brasil já opera no PNHU - Faixas 2 e 3, oferecendo financiamento imobiliário para famílias com renda bruta mensal de R$ 1,6 mil até R$ 5 mil, e com o financiamento à produção junto às Construtoras e Incorporadoras.

Fonte: Banco do Brasil