× Modal
< Voltar


Assuntos diversos

Instrumentos de educação

Instrumentos de educação


Em 01.01.2015 às 00:00 Compartilhe:


Educar para Crescer é o lema da Fundação Monique Leclercq, que atende a 215 crianças e adolescentes entre 7 e 17 anos vindas de comunidades carentes do município de São Domingos do Prata, em Minas Gerais. Essa foi mais uma instituição beneficiada pelo programa BRASIL SEM FOME, da ANABB, que desde 1993 direciona recursos para os comitês de cidadania mantidos ou assistidos por funcionários do Banco.

Dessa vez, a verba foi destinada à compra de instrumentos para enriquecer o trabalho do grupo musical “Arte e Som”, mantido pela Fundação. O sax, o trompete, a clarineta, a bateria e o trombone adquiridos com os recursos do projeto serão utilizados por crianças e jovens iniciados no processo de aprendizagem musical.

Até então, o grupo era formado por 28 flautistas, comandados pela regente Edineide Barbosa – uma autodidata com experiência em vários instrumentos. A regente compõe as partituras musicais do grupo, que já se apresentou em Vitória (ES), Ouro Preto, Coronel Fabriciano e Belo Horizonte (MG), e em outras localidades vizinhas. Em julho deste ano, o Arte e Som vai se apresentar no Festival de Música de Matias Barbosa (MG). Com repertório variado, o grupo encanta a platéia com execuções de clássicos de Bach, Beethoven, músicas de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, além do pop dos Beatles e Bee Gees.

As crianças e os adolescentes atendidos pela entidade não aprendem só música. Eles têm reforço escolar e alimentar, aulas de teatro, práticas esportivas, aprendem a fazer artesanato com bambu, vidro, madeira e tecidos. Além disso, a entidade dispõe de biblioteca e videoteca. Os jovens ainda recebem noções de técnicas agrícolas e pecuárias, com profissionalização em apicultura, avicultura, piscicultura, horticultura, fruticultura, bovinocultura, e também aprendem preservação ambiental.

No dia 12 de maio deste ano, o Arte e Som fez uma apresentação de agradecimento à ANABB, representada pelo diretor Douglas Scortegagna, que coordena o programa BRASIL SEM FOME. Ele foi a São Domingos do Prata conhecer o trabalho social desenvolvido pela Fundação Monique Leclercq. O diretor considera fantástico o projeto da Fundação. “O sorriso das crianças é contagiante. A maioria não tinha chance de comer, sequer de aprender”, ressalta.

Conheça a Fundação
A Fundação Monique Leclercq, instituída em 1998, é presidida pelo aposentado do BB Wilson Liberato de Abreu. O nome da entidade é uma homenagem à irmã francesa Monique Jeanne Marie Joseph Leclercq, de 84 anos, carinhosamente chamada de irmã Mônica. A iniciativa de instituir a Fundação foi da religiosa, que veio para Brasil em 1951. Irmã Mônica foi para São Domingos do Prata em 1968, onde se envolveu com trabalhos sociais, aos quais se dedica até hoje.

De acordo com Wilson, na cidade não existem crianças de rua. “A Fundação faz um trabalho preventivo para evitar que isso aconteça”, afirma. O município tem 18 mil habitantes e fica a 140 quilômetros da capital mineira.

A entidade é mantida, em parte, pelo trabalho dos próprios assistidos, que produzem e vendem artesanato e produtos orgânicos. A Fundação dispõe de três espaços: o sítio São Martinho de Lima, onde ficam os meninos a partir de 10 anos, o prédio-sede, para crianças de 7 a 10 anos e meninas de 11 a 17 anos e uma casa doada por uma moradora da cidade, onde funciona a loja de artesanato. A instituição também recebe apoio governamental, da Congregação Romana de São Domingos, de padrinhos e de voluntários.

Fonte: AÇÃO 177 - JUNHO DE 2005