× Modal
< Voltar


Assuntos diversos

ANABB contra a fome

ANABB contra a fome


Em 02.03.2011 às 00:00 Compartilhe:


Apesar das divergências nos índices brasileiros de subnutrição, o fato é que milhões de pessoas em todo o país não se alimentam com o mínimo necessário para o seu desenvolvimento físico e mental. Daí a prioridade do Governo Lula em acabar com a fome. Bem antes, no entanto, de esta ter se tornado uma bandeira governamental, os 79 mil funcionários do Banco do Brasil já se engajavam contra essa realidade. No auge da Campanha da Ação da Cidadania Contra a Fome e a Miséria pela Vida, idealizada pelo sociólogo Herbert de Souza, mais de dois mil comitês foram criados pelos funcionários do BB – o maior número alcançado dentro de uma só empresa.

Incentivando esse trabalho solidário a Anabb lançou em 1995 a Campanha Brasil Sem Fome, na qual vendeu 300 mil camisetas para destinar a verba aos diversos comitês de cidadania envolvidos na causa. O sucesso da campanha levou a associação a lançar, no mesmo ano, o Prêmio Cidadania, que teve mais duas edições: em 1998 e em 2002. O prêmio não contemplava apenas ações de combate à fome, mas também as que promovessem dignidade humana, apoiando a educação, saúde e geração de renda.

Mas, em 2003, a Anabb irá além. A entidade está estudando formas de colaborar com a campanha do Governo, engajando novamente o funcionalismo. Para isso, vai utilizar-se de sua estrutura nos Estados. No fim de janeiro, a associação enviou carta ao ministro extraordinário de Segurança Alimentar, José Graziano, solicitando audiência. A diretoria da ANABB gostaria de trocar idéias com o ministro sobre como a associação poderá ajudar o Governo. “O programa Fome Zero é continuidade de um trabalho de milhares de brasileiros, cujo símbolo foi Betinho. A ANABB, como das outras vezes, confirmará presença nesse grande mutirão cívico nacional”, afirma o diretor de Relações Externas da associação, J.S. de Lacerda Junior.

O ministro, no entanto, optou por marcar reunião entre a Anabb e um de seus assessores. Por entender que o acerto deve ser diretamente com José Graziano, a entidade continua tentando uma reunião na qual ele possa participar.

PRÊMIOS CIDADANIA
Na primeira edição, entre os quinze comitês premiados, cinco tinham trabalhos diretamente voltados ao combate à fome. A melhor colocação foi a do Comitê da Cidadania de Fortaleza. Criada 1993, ano em que o Nordeste foi fustigado por uma enorme seca, o comitê iniciou suas ações recolhendo vales-alimentação entre os colegas. Os tíquetes transformaram-se em 200 toneladas de alimentos, que beneficiaram 11, 6 mil famílias.

Em 1998, realizou-se a segunda edição do Prêmio, que abriu as portas para comitês de fora do Banco. E em 2002, as categorias “Educação” e “Combate à Dengue” valorizaram ações que permitissem à população sair de um círculo vicioso no qual, qualquer que seja a ordem das prioridades, a ausência de uma certamente leva à ausência de outra. O Prêmio Cidadania mostrou que educação e saúde andam de mãos dadas com geração de renda e alimentação.

Fonte: AÇÃO – FEV/MARÇO 2003