× Modal
< Voltar


ANABB

II Fórum Nacional de Debates - Informativo do 1º dia

A presença de Itamar Franco, de funcionários eleitos em todo país e de diretores do BB foi o destaque do primeiro dia do II Fórum Nacional de Debates Anabb


Em 21.11.2001 às 00:00 Compartilhe:

Workshop - os funcionários do BB nos poderes
O Banco do Futuro


A reforma patrimonial e estatutária do Banco do Brasil foi o principal assunto do Workshop "BB nos Poderes", que abriu o II Fórum Nacional de Debates ANABB. Vereadores, prefeitos e deputados eleitos do BB, participaram de palestras sobre a nova estratégia do Banco. O presidente da ANABB, Valmir Camilo, homenageou o deputado estadual Rafael Silva (PSB-SP), passando-lhe a presidência da mesa. O parlamentar emocionou-se: "O senhor me deixa muito pequeno diante da grandeza desse ato, desse coração generoso que você tem". A reformulação do Banco é passo importante para melhorar os índices de eficiência da instituição e torná-la competitiva em relação a bancos privados. "Estamos nos aproximando da prática de mercado", analisa Glauco Lima, gerente geral da Unidade Estratégia e Organização do BB. O público participou com perguntas aos palestrantes.

A maioria dos participantes confessou não saber das transformações do BB. O deputado federal Nelson Marchezan (PSDB-RS) lembrou da importância do debate para aprovação de leis em prol dos participantes dos Fundos de Pensão no Congresso. Perguntado sobre se a Caixa Econômica estaria tomando espaço do Banco, Sebastião Martins Ferreira Júnior, diretor de Governo foi categórico: "O BB é que está tomando espaço da Caixa. Muitas vezes fazemos marketing bem melhor que eles". Sebastião Júnior também falou da importância de se equilibrar lucro com papel social. "A partir de 97, resolvemos ampliar nossas negociações com estados e municípios.

Precisamos ser úteis à sociedade, mas também rentabilizando o Banco do Brasil". Diretor de Controle do Banco do Brasil, José Gilberto Jaloretto, falou de como o Banco do Brasil ajustou-se ao índice de Basiléia e da melhora nos índices de eficiência do BB. O deputado estadual João Bonfim (PTB-BA) enfatizou a importância do envolvimento do funcionalismo nas questões de interesse do BB. "Temos que tomar posição nessa história, não contra o Banco, mas a favor do Brasil". Workshop - Previdência Complementar Benefício Definido ou Contribuição Definida? O Workshop Previdência Complementar - Benefício e Contribuição Definidos levantou uma questão que causa muita dúvida aos participantes de fundo de pensão: qual a melhor modalidade de previdência complementar? A resposta, segundo os especialistas presentes, depende da situação de cada indivíduo.

O tempo de contribuição, o risco que se está disposto a correr, o valor do benefício que se quer obter. Tudo deve ser ponderado na hora de optar pela forma de complementação para aposentadoria. A atuária Marília Vieira Cunha Castro abriu as discussões e falou das características do plano de Benefício Definido (BD). Ela destacou que a modalidade dá ao participante uma idéia de quanto vai receber na aposentadoria. Mas salientou que ele deve ter consciência de que a contribuição não será fixa. "A correção do valor pago tem que acompanhar o plano para que não haja desequilíbrio. Só desta forma existe a garantia de pagamento dos benefícios", explica. Marília falou da importância da previdência privada para manutenção do poder aquisitivo e incremento da economia. "Se todas as pessoas puderem se aposentar com renda igual a da ativa, permanecem no mercado e há aquecimento de setores da economia como o turismo". José Carlos Dias, consultor da William Mercer Consultoria Atuarial, explicou que no plano de Contribuição Definida (CD) os saldos são individuais e, portanto, há um sentimento de propriedade maior por parte dos participantes.

Ele ressaltou que as carreiras nas empresas hoje são rápidas e, neste caso, a CD é mais adequada. Como aspectos negativos, Dias destacou o desconhecimento do valor do benefício até a aposentadoria e o fato de não estar atrelado ao último salário da ativa. O especialista em Previdência Privada, Flávio Rabelo, destacou a portabilidade como a maior vantagem da CD. Segundo ele, no BD é difícil de o participante saber realmente quanto tem no fundo.

Para Luiz Gushiken, o trabalhador não tem competência para escolher sozinho o regime de capitalização. É necessário ter a opinião de um profissional. Mas, pela ótica dos trabalhadores, o BD é o melhor plano por possuir um caráter mutualista e renda vitalícia. Abertura Oficial Na abertura oficial do evento, o governador de Minas Gerais, ex-presidente Itamar Franco, falou da importância de eventos como o da ANABB. "Espero que este Fórum faça o BB encontrar o caminho nesse momento que o Brasil precisa tanto do mercado financeiro e do Banco do Brasil" O secretário da Casa Civil, Henrique Hargreaves, também esteve na cerimônia.

Fonte: Agência ANABB