× Modal
< Voltar


Banco do Brasil

Pandemia impacta lucro do Banco do Brasil

BB registrou lucro de R$ 3,4 bilhões no 1º trimestre de 2020, 20% inferior ao resultado do ano passado


Em 07.05.2020 às 19:14 Compartilhe:

O Banco do Brasil divulgou, nesta quinta-feira (7/4), um lucro líquido ajustado de R$3,4 bilhões no primeiro trimestre de 2020, registrando uma queda de 20,1% em relação ao mesmo período de 2019. De acordo com o BB, o resultado foi impactado pelas provisões de R$ 2 bilhões que realizou por conta da pandemia do coronavírus.

O BB afirmou, no entanto, que a sua carteira de crédito permitiu o crescimento de 15,4% do resultado estrutural na comparação com o 1º trimestre do ano passado. Isso possibilitou que a geração de negócios permanecesse forte. O resultado estrutural não sofre os efeitos das provisões e tem como principais vetores o crescimento da carteira de crédito e o incremento nas rendas com a prestação de serviços.

A carteira de crédito avançou 5,8% sobre o 1º trimestre do ano passado, chegando a R$ 725 bilhões neste ano. A carteira pessoa física teve o maior avanço, de 9%; a carteira pessoa jurídica cresceu 5,9%; a carteira rural cresceu 2,5%. Segundo o BB, os empréstimos consignados puxaram o avanço da carteira pessoa física, que aumento pouco mais de 16%. O BB informou que o índice de inadimplência superior a 90 dias sofreu redução de 10 pontos porcentuais em comparação ao 4º trimestre de 2019, ficando em 3,17% no fim de março.

Avanço da Estratégia Digital

O BB destaca ainda a colaboração dos avanços da estratégia digital para os impactos positivos no desempenho.

A aceleração do digital ficou evidenciada com o aumento de 1,7 milhão de usuários no App do Banco, desde o dia 16 de março, totalizando, agora, 15,8 milhões de clientes no canal. A média de novos usuários no App por dia em abril é 358% superior à média observada nos últimos seis meses. Foi registrado, também aumento no número de acessos diários ao App, com crescimento de 25% em abril.

Índice de Basiléia

O índice de Basileia atingiu 17,8% em março de 2020, sendo 9,98% de capital principal. O BB mantém o compromisso de atingir um patamar mínimo de 11% de capital principal em janeiro de 2022.

Mensagem da Presidência

Em mensagem aos funcionários do BB alusiva à divulgação dos resultados do primeiro trimestre de 2020, o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, considerou confortável a posição da instituição diante da crise gerada pela pandemia. “Se olhar para a nossa carteira, os nossos resultados dependem muito de pessoas físicas. E nossas pessoas físicas possuem características um pouco diferentes da clientela de outros bancos. Nós temos uma concentração de clientes em governo, em empresas estatais, que têm resiliência maior à crise, em termos de emprego e de salário", afirmou.

"Nós temos também uma participação forte no setor agrícola, que outros bancos não têm. E nossa participação também é significativa em empréstimos a estados e municípios, nos quais praticamente há garantia da União para a totalidade dos créditos. O Banco do Brasil se situa numa posição muito confortável. É óbvio que sofreremos alguma coisa, mas não sofreremos tanto quanto os nossos pares”, complementou o presidente.

Assista a um vídeo com a mensagem: 

Fonte: Agência ANABB, com informações do Banco do Brasil