× Modal
X

Para implementar o trabalho, a chapa CASSI: ENTRE QUE A CASA É SUA, precisa da sua confiança. Você representa a força do funcionalismo do BB. Além disso, o que você espera da Cassi está contemplado na experiência e na atuação dos representantes de nossa chapa.

A ANABB apoia a chapa porque, assim como os candidatos, deseja uma Cassi sem amarras ideológicas ou subordinação a determinados interesses. Precisamos deixar claro que quem manda na Cassi é o associado.

A sustentabilidade do Plano virá quando a Cassi ampliar seu protagonismo na orientação dos associados sobre a melhor opção de jornada de saúde, assumindo seu verdadeiro propósito como Gestora de Saúde, capaz de conhecer o perfil individual de cada associado e as necessidades específicas da população assistida.

VEJA OS CANDIDATOS DAS CHAPAS 2 E 55


CONHEÇA AS PROPOSTAS: 

ASSOCIADO COMO FATOR CENTRAL

  • Aprimorar e expandir o modelo de Atenção Integral à Saúde.
     
  • Implementar estratégias para proporcionar atendimento de excelência ao participante. Transformar a Cassi, cada vez mais, numa Gestora de Saúde, conhecedora dos dados clínicos, demográficos e ambientais da população assistida.
     
  • Ofertar aos associados, de modo transparente, informações sobre as estratégias assistenciais da Cassi.
     
  • Implantar o conceito de comunidade, permitindo ao associado avaliar a qualidade do atendimento, do tratamento e do desfecho clínico e compartilhar sua experiência com o prestador com todos os demais associados. Assim, será possível identificar aqueles profissionais que prestam o melhor atendimento.

PREVENÇÃO

  • Conhecer o perfil individual de cada associado e as necessidades específicas da população assistida, visando implementar ações para monitoramento contínuo dos pacientes com doenças crônicas tais como diabetes, hipertensão, colesterol, obesidade etc.

REDE DE ATENDIMENTO E CREDENCIAMENTO DE MÉDICOS E HOSPITAIS

  • Incluir a Cassi nos Fóruns de discussão com outras operadoras de saúde que visam uma medicina baseada em entrega de valor: alterar o atual modelo de remuneração da rede credenciada, orientada ao pagamento de procedimentos, para um modelo que remunere a partir da qualidade do desfecho do tratamento e da experiência do paciente.
     
  • Ampliar a rede de atendimento, especialmente nas pequenas cidades distantes de uma Clinicassi ou de uma rede de credenciados que proporcione atendimento adequado.


TELEMEDICINA

  • Ampliar as especialidades atendidas pela telemedicina, observando que as consultas on-line não devem ser priorizadas em detrimento do atendimento presencial.
     
  • Garantir atendimento na telemedicina, principalmente em momentos de grande demanda.

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA (PAF)

  • Garantir que os associados não fiquem sem tratamento para doenças crônicas.

LISTA DE MATERIAIS E MEDICAMENTOS ABONÁVEIS (LIMACA)

  • Adequar a LIMACA às reais necessidades dos associados, deixando de tratá-la apenas sob ótica financeira. 

SAÚDE FINANCEIRA: SOLIDARIEDADE E COPARTICIPAÇÃO

  • Resgatar as origens da Cassi, definindo as responsabilidades do patrocinador com a taxa de administração e reajustes salariais. A solidariedade é premissa do custeio da Cassi. Associados têm a sua participação e o patrocinador deve ser cobrado para também manter seus compromissos. Hoje, com a coparticipação, a contribuição dos associados supera a do patrocinador (4% para associados e 4,5% para o BB).
  • Retomar a coparticipação aos patamares de 2018.
     
  • Criar estratégias para inibir a má utilização do Plano. Atualmente, para tentar inibir o mau uso, todos os associados são punidos com valores de coparticipação exorbitantes.

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

  • Implementar uma cultura de inovação permanente na Cassi.
     
  • Incluir a Cassi no processo de transformação digital, de dentro para fora, e não somente com implementação de melhorias em telemedicina ou app.
     
  • Utilizar dados de inteligência artificial para apurar a performance da rede credenciada, de modo a avaliar a qualidade dos desfechos clínicos e a pertinência dos tratamentos indicados.
     
  • Aprimorar os modelos de gestão do risco populacional com a utilização de dados de inteligência artificial, para predição de doenças e ações de engajamento.